Porto Alegre, segunda-feira, 18 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 18 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Pecuária

- Publicada em 09h22min, 18/01/2021.

Rio Grande do Sul terá reforço de vigilância sanitária animal nas divisas do Estado

Fundesa investirá R$ 82,9 mil para implantar reforço móvel ao trabalho já realizado nos postos fixos

Fundesa investirá R$ 82,9 mil para implantar reforço móvel ao trabalho já realizado nos postos fixos


Seapdr/Divulgação
Os conselheiros do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal do RS (Fundesa) aprovaram ma última semana nova aplicação de recursos em um projeto da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural para melhorar os controles nas divisas do Estado.
Os conselheiros do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal do RS (Fundesa) aprovaram ma última semana nova aplicação de recursos em um projeto da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural para melhorar os controles nas divisas do Estado.
Serão investidos R$ 82,9 mil para a execução do Projeto Guaritas, que tem o objetivo de reforçar o trabalho já realizado pelos Postos Fixos de Divisa, só que agora com o uso de barreiras volantes em pontos de ingresso no Estado. Inspirado no Programa Sentinela, o Guaritas vai atuar em 97 municípios, divididos em dois blocos.
“Temos o tráfego legal realizado nas rodovias onde estão os Postos Fixos de Divisa. Agora, nossa intenção é surpreender aquele transportador mal-intencionado que tenta passar por outros 50 pontos existentes na divisa entre os dois estados”, afirma o chefe da Divisão de Controle e Informações Sanitárias da secretaria, Francisco Lopes.
O presidente do Fundo, Rogério Kerber, afirma que o apoio ao programa, com o investimento na aquisição de kits de barreiras móveis e equipamentos de segurança individual para os técnicos, faz parte das diretrizes do Fundesa, “de apoiar as iniciativas para manutenção e evolução do status sanitário do Rio Grande do Sul”.
Conforme Kerber, depois do sucesso do Programa Sentinela, que ampliou e melhorou a forma e a estrutura de vigilância nas fronteiras, ficou claro que as barreiras itinerantes programadas e com o apoio das forças de segurança podem fazer a diferença no controle também da divisa com Santa Catarina. O Projeto Guaritas vai contar também com a vigilância na área vegetal.
Comentários CORRIGIR TEXTO