Porto Alegre, quinta-feira, 14 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 14 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Lavouras

- Publicada em 14h36min, 14/01/2021.

Federarroz reforça sustentação de preços ao produtor neste ano

Fatores internos e externos sinalizam que cotações do grão devem se manter aquecidas em 2021

Fatores internos e externos sinalizam que cotações do grão devem se manter aquecidas em 2021


FAGNER ALMEIDA/DIVULGAÇÃO/JC
A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) reafirma que os preços pagos ao produtor continuarão aquecidos durante o período de colheita e em todo o ano de 2021. Segundo a entidade, fatores como o preço do cereal no mercado internacional que se mantém acima de R$ 100,00 a saca, além do tamanho da área plantada praticamente igual a do ano passado e o câmbio acima de R$ 5,00 que trará grande incentivo à exportação, são alguns dos fatores que referendam a afirmação.
A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) reafirma que os preços pagos ao produtor continuarão aquecidos durante o período de colheita e em todo o ano de 2021. Segundo a entidade, fatores como o preço do cereal no mercado internacional que se mantém acima de R$ 100,00 a saca, além do tamanho da área plantada praticamente igual a do ano passado e o câmbio acima de R$ 5,00 que trará grande incentivo à exportação, são alguns dos fatores que referendam a afirmação.
De acordo com o presidente da entidade, Alexandre Velho, a paridade mais alta em relação ao Mercosul em função deste mesmo câmbio e a demanda interna aquecida devido à continuidade da pandemia e a obrigação de muitas famílias em continuar em isolamento em casa também reforçam esta perspectiva. "Estes fatores nos levam a crer que não existem motivos para que o arroz baixe de preço na colheita e ao longo do ano de 2021", observa.
Velho lembra que o arroz importado chega hoje no Brasil a mais de R$ 100,00 e que por muitas vezes este produto que vem de fora é considerado de baixíssima qualidade. O presidente da Federarroz também reforça que mesmo neste patamar de preços ao consumidor, o arroz continua sendo acessível e não pesa no orçamento familiar. "O arroz entre R$ 4,00 e R$ 5,00 o quilo ao consumidor é um produto muito acessível", explica.
Por fim, o dirigente destaca que é preciso valorizar o produtor que ainda se manteve na atividade depois de anos de desvalorização do produto em relação aos custos e que é fundamental reconhecer a importância deste agricultor que garantiu a segurança alimentar brasileira em um período tão difícil quanto este que vem sendo o da pandemia.
Comentários CORRIGIR TEXTO