Porto Alegre, terça-feira, 29 de dezembro de 2020.
Dia Internacional da Biodiversidade.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 29 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

gente

- Publicada em 19h56min, 29/12/2020.

Paolinelli, ex-ministro da Agricultura, será indicado para o Prêmio Nobel da Paz

Nome do presidente da Abramilho foi indicado por 20 entidades brasileiras

Nome do presidente da Abramilho foi indicado por 20 entidades brasileiras


ABRAMILHO/DIVULGAÇÃO/JC
O Brasil terá um indicado para o Prêmio Nobel da Paz de 2021: Alysson Paolinelli. Com 84 anos, o ministro da Agricultura nos anos 1970 é, desde quando se graduou em engenharia agronômica, em 1959, um entusiasta pelas tecnologias e inovações no campo, a fim de aumentar a produtividade e a oferta de alimentos.
O Brasil terá um indicado para o Prêmio Nobel da Paz de 2021: Alysson Paolinelli. Com 84 anos, o ministro da Agricultura nos anos 1970 é, desde quando se graduou em engenharia agronômica, em 1959, um entusiasta pelas tecnologias e inovações no campo, a fim de aumentar a produtividade e a oferta de alimentos.
Professor e deputado federal no período da Constituinte, Paolinelli abriu caminho para a saída do Brasil de uma dependência alimentar para a posição de um dos principais exportadores mundiais. Imbatível nas exportações de café há décadas, o País acrescentou também nessa lista de liderança mundial soja, açúcar, suco de laranja, carne bovina, carne de frango e, em alguns anos, como ocorreu em 2019, chegou a liderar as exportações mundiais de milho. Atualmente, Paolinelli é presidente executivo da Abramilho.
Essa revolução agrícola veio com base na ciência, na tecnologia e na inovação, afirmou Paolinelli, em entrevista recente à Folha. Ele criou 26 representações da Embrapa em sua passagem pelo Ministério da Agricultura nas diversas regiões do país.
Agora, com pesquisas objetivas, é preciso definir os limites do uso dos biomas, sem degradar os recursos naturais. Além disso, utilizar as formas de manejo que mantenham esses recursos preservados, afirmou o ex-ministro.
Embaixador da Boa Vontade do IICA (Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura) e presidente do Instituto Fórum do Futuro, ele movimenta organizações de ciências para a realização do Projeto Biomas Tropicais, acreditando na geração de uma revolução científico-tecnológica a favor das pessoas, em harmonia com o meio ambiente e em benefício da paz mundial. Um dos precursores da evolução da agricultura tropical no Brasil, afirma que a tecnologia brasileira, se adotada por outros países com solos pobres, incentivaria a agricultura em regiões carentes.Além disso, seria um meio de fixação da população em suas regiões, dando a ela autonomia alimentar. "É preciso levar conhecimento suficiente para eles serem competitivos", afirmou o ex-ministro.
O mineiro já ganhou o The World Food Prize em 2006, prêmio criado por Norman Bourlang, Prêmio Nobel da Paz de 1970. Naquele ano, Bourlang disse que o cerrado brasileiro estaria sendo palco da segunda "Revolução Verde" da humanidade. Os pesquisadores desenvolveram técnicas que tornaram uma área improdutiva na maior reserva de alimentos do mundo, afirmou à época.
O Prêmio Nobel estava certo. Hoje a região do cerrado é responsável por 46% da produção brasileira de soja, 49% da de milho, 93% da de algodão, e 25% da de café. Ainda, segundo o IBGE, a região é responsável por 32% do rebanho brasileiro de bovinos e detém 22% das produções de frango e de suínos do país.
O avanço da agricultura nas últimas décadas trouxe um alívio para o bolso dos consumidores brasileiros. Segundo o Índice de Preços ao Consumidor da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), 44% dos gastos mensais dos paulistanos eram com alimentos na década de 1970. Com oferta maior e variedade de produtos, esse custo caiu para 24,5% atualmente. Ou seja, de cada R$ 100,00 gastos, R$ 24,50 são com alimentos.
Enquanto na década de 1970, o Brasil tinha um déficit comercial na balança de alimentos. Nos anos recentes, sempre fecha o período com saldos próximos de US$ 90 bilhões. O ganho de produtividade gerou um efeito "poupa-terra" e uma preservação de biomas. Sem esse avanço da tecnologia e da produtividade, para atingir a produção de 231 milhões de toneladas de grãos, obtida em 2018, o país teria de usar 128 milhões a mais de área cultivável do que utiliza, segundo eles.
Aos 84 anos, olhando para trás, o ex-ministro ainda não está satisfeito com os avanços. Para ele, a agricultura tropical trouxe vantagens comparativas para o País, mas se faz necessário um avanço para a bioeconomia. "Inteligência e estratégias adequadas farão o sistema biológico melhorar em muito a capacidade de competição do país em alimentação e em energias renováveis", afirmou à Folha.
Paolinelli está sendo indicado ao Nobel da Paz não só pela dedicação à agricultura tropical e à consequente segurança alimentar gerada por ela, mas também pela sustentabilidade que essas novas tecnologias trouxeram à produção, segundo os signatários da indicação do ex-ministro ao prêmio. O ex-ministro está sendo indicado ao prêmio pela iniciativa de 20 entidades brasileiras, que receberam o apoio de uma centena de organizações, universidades e profissionais de pelo menos 20 países.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO