Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agronegócio

- Publicada em 14h30min, 13/10/2020. Atualizada em 17h38min, 17/10/2020.

Tramontini investe no mercado de tratores de montanha

Marca italiana se destaca por alcançar locais de difícil acesso

Marca italiana se destaca por alcançar locais de difícil acesso


Tramonti/Divulgação/JC
Thiago Copetti
De olho em um nicho de mercado bastante específico, os tratores para regiões montanhosas, a fabricante gaúcha Tramontini está investindo R$ 2 milhões em uma revenda da marca italiana Antonio Carraro no Estado - e avançando na nacionalização dos modelos. Um mercado literalmente com alto potencial no Rio Grande do Sul.
De olho em um nicho de mercado bastante específico, os tratores para regiões montanhosas, a fabricante gaúcha Tramontini está investindo R$ 2 milhões em uma revenda da marca italiana Antonio Carraro no Estado - e avançando na nacionalização dos modelos. Um mercado literalmente com alto potencial no Rio Grande do Sul.
A primeira loja, que abre as portas nesta quinta-feira (15), em Bento Gonçalves, tem como carro-chefe os veículos italianos da fabricante, que antes passam por adaptações nacionais na fábrica de Venâncio Aires, no Vale do Rio Pardo. A parceria da gaúcha com a indústria italiana começou em 2016, avançou com a nacionalização de peças e com a revenda exclusiva, e dará novos passos com a produção local de itens de reposição.
Até 2018, conta o diretor-executivo da Tramontini, Ubirajara Choairi, a empresa ainda montava tratores com capacidade de até 80 cavalos a partir de componentes que comprava da China e nacionaliza com a marca Tramontini. Com o avança nas primeiras importações da Antonio Carraro e da parceira tecnológica com a italiana, a produção dos tratores com peças chinesas foi interrompida.
“Vimos que era difícil avançar rapidamente, com tecnologia própria, em um empresa de médio porte como é Tramontini, e buscamos parceiros para acelerar o processo. Fomos à Europa procurar fabricantes de alta tecnologia e em nichos pouco explorados por aqui, e encontramos a Antônio Carraro, em 2016. De lá pra cá a parceira cresce ano a ano”, comemora Choairi.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/10/13/206x137/1_upertigre_jona_001-9163394.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f85e06c1847c', 'cd_midia':9163394, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/10/13/upertigre_jona_001-9163394.jpg', 'ds_midia': 'Marca italiana Antonio Carrarro se destaca com veículos para agricultura em locais de difícil acesso', 'ds_midia_credi': 'Tramonti/Divulgação/JC', 'ds_midia_titlo': 'Marca italiana Antonio Carrarro se destaca com veículos para agricultura em locais de difícil acesso', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}Uso em parreiras é um dos segmento que puxa as vendas no Rio Grande do Sul. Foto: divulgação/Tramontini
Desde então, calcula o executivo, foram vendidos no Brasil cerca de 500 unidades. A maior parte para a serra gaúcha, para operação em pomares e videiras, mas também a produtores de áreas montanhosas de Minas Gerais e para o cultivo de café.
Um dos grandes diferenciais, diz Choairi, é que enquanto um trator agrícola convencional opera, no limite, a 12 graus de inclinação, o modelo italiano pode ser usado em locais com até 25 graus de inclinação. Ou seja, com um nível de segurança muito maior para o operador, que enfrenta riscos reduzidos de tombamentos.
São cinco modelos comercializados no Brasil, por valores entre R$ 100 mil e R$ 200 mil - mais caros do que um trator convencional, diz o próprio Choairi, mas com diferenciais de operação também não disponíveis em um modelo comum. Na nacionalização entra até mesmo a colocação de cabines, pouco usadas na Itália.O produtor brasileiro exige a cabine por mais conforto e segurança, questões de clima, mais pulverizações em pomares e videiras e por ser geralmente o próprio dono que opera o veículo, avalia o executivo.
“Além disso, por lei, é necessário contar com sirene e luz de ré, entre outros itens. As cabines já são desenvolvidas diretamente na serra gaúcha por parceiros locais”, diz Choairi.
O mesmo ocorre com as plantação plantações de café em Minas Gerais. Por isso também a cabine se torna um item quase fundamental para proteção individual do agricultor brasileiro, e menos no modelo europeu.
“Esses modelos de trator permitem que famílias que antes não tinham como mecanizar suas áreas de trabalho agora o façam”, diz o executivo.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/10/13/206x137/1_tratores_de_montanha-9163395.jpeg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f85e06c1847c', 'cd_midia':9163395, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/10/13/tratores_de_montanha-9163395.jpeg', 'ds_midia': 'Marca italiana Antonio Carrarro se destaca com veículos para agricultura em locais de difícil acesso', 'ds_midia_credi': 'Tramonti/Divulgação/JC', 'ds_midia_titlo': 'Marca italiana Antonio Carrarro se destaca com veículos para agricultura em locais de difícil acesso', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '589', 'align': 'Left'}Primeira revenda da parceria Tramonti e Antonio Carraro será aberta nesta quinta (15), em Bento Gonçalves. Foto: Tramontini, divulgação
No caso da serra gaúcha, acrescenta Choairi , além de toda utilidade para as características da economia local, ser uma marca italiana ajuda na conquista de clientes para a Antonio Carraro, que fabrica uma linha ainda maior de máquinas específicas para locais de difícil acesso, como para neve e montanhas.
“Um dos diferenciais é que a fabricante não faz uma adaptação, mas em um projeto próprio de máquinas planejadas para isso, para regiões de montanha. Não são tratores convertidos, por isso a qualidade superior. É, sem dúvida, uma tecnologia ainda nova para o mercado brasileiro”, argumenta Choairi.
Os negócios neste ano, diz Choarini, precisaram ser revistos, mas ainda assim o faturamento deve se igualar a 2019. No ano passado a fabricante de microtratores, geradores de energia e equipamentos agrícolas diversos faturou R$ 40 milhões. A meta para 2020 era chegar a R$ 50 milhões, valor que a empresa, porém, espera alcançar em breve.
Comentários CORRIGIR TEXTO