Porto Alegre, quinta-feira, 27 de agosto de 2020.
Dia do Psicólogo e do Corretor de Imóveis.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 27 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agronegócios

- Publicada em 10h02min, 27/08/2020. Atualizada em 10h04min, 27/08/2020.

Preços recordes do suíno vivo elevam poder de compra do suinocultor

No Rio Grande do Sul, Santo Cristo foi a maior produtora de suínos em 2018, de acordo com o IBGE

No Rio Grande do Sul, Santo Cristo foi a maior produtora de suínos em 2018, de acordo com o IBGE


Adriano Weber/Prefeitura de Santo Cristo/Divulgação/JC
Mesmo diante da forte e seguida alta nos valores dos principais insumos de alimentação da suinocultura, milho e farelo de soja, os preços recordes do animal vivo elevam o poder de compra dos produtores consultados pelo Cepea/Esalq/USP em agosto, que, inclusive, supera o verificado no mesmo mês de 2019.
Mesmo diante da forte e seguida alta nos valores dos principais insumos de alimentação da suinocultura, milho e farelo de soja, os preços recordes do animal vivo elevam o poder de compra dos produtores consultados pelo Cepea/Esalq/USP em agosto, que, inclusive, supera o verificado no mesmo mês de 2019.
Em boletim divulgado hoje, o Cepa aponta que no mercado de suínos, a oferta restrita de animais para abate e a demanda aquecida da indústria por novos lotes, principalmente por conta das exportações aquecidas, mantêm em elevação os valores no mercado independente. Quanto ao milho, segundo a Equipe de Grãos do centro de estudos, os preços seguem em acentuado movimento de alta no mercado interno desde junho, mesmo com a colheita avançada da segunda safra e com estimativas apontando produção recorde.
O impulso vem da retração de vendedores, que limitam a disponibilidade do cereal no spot brasileiro, da demanda interna firme e das exportações em ritmo aquecido. Para o farelo de soja, as altas expressivas se devem ao aumento no preço da matéria-prima e à demanda doméstica aquecida pelo derivado, principalmente por conta da avicultura e suinocultura.
Comentários CORRIGIR TEXTO