Porto Alegre, sexta-feira, 21 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 21 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agronegócios

- Publicada em 10h28min, 21/08/2020.

Preço do leite ao produtor deve ter recorde em agosto, segundo o Cepea

Aumento dos preços é comum nesta época, mas foi acentuado pela volta a demanda

Aumento dos preços é comum nesta época, mas foi acentuado pela volta a demanda


CAROLINA JARDINE/DIVULGAÇÃO/JC
Boletim publicado nesta semana pelo Cepea apontou que o preço do leite ao produtor na “Média Brasil” líquida registrou alta acumulada real de 29,2% de janeiro a julho de 2020. Esse avanço no preço neste ano foi acentuado pelo forte aumento de 15,7% observado de junho para julho, quando o valor ao produtor chegou a R$ 1,7573/litro, o maior registrado para um mês de julho e o segundo mais alto de toda a série histórica do Cepea (desde 2004), atrás apenas da média de agosto/16 (R$ 1,7815/litro), em termos reais (dados deflacionados pelo IPCA de julho/20).
Boletim publicado nesta semana pelo Cepea apontou que o preço do leite ao produtor na “Média Brasil” líquida registrou alta acumulada real de 29,2% de janeiro a julho de 2020. Esse avanço no preço neste ano foi acentuado pelo forte aumento de 15,7% observado de junho para julho, quando o valor ao produtor chegou a R$ 1,7573/litro, o maior registrado para um mês de julho e o segundo mais alto de toda a série histórica do Cepea (desde 2004), atrás apenas da média de agosto/16 (R$ 1,7815/litro), em termos reais (dados deflacionados pelo IPCA de julho/20).
Apesar do patamar já elevado, segundo o Cepea, o preço do leite captado em julho e pago em agosto deverá ultrapassar com folga o recorde. A expectativa é de alta de cerca de 10% na “Média Brasil” do Cepea de agosto. Essa valorização do leite se deve, de acordo com estudo, à maior competição entre as indústrias de laticínios para garantir a compra de matéria-prima nos últimos meses. A concorrência acirrada, por sua vez, esteve atrelada à necessidade de se refazer estoques de derivados lácteos, num momento de oferta limitada no campo e de recuperação da demanda.
O Cepea destaca, porém, que há tendência típica de aumento das cotações ao produtor entre março e agosto, devido à sazonalidade da produção. Neste período, a captação de leite é prejudicada pela baixa disponibilidade de pastagens, em decorrência da diminuição das chuvas no Sudeste e Centro-Oeste. No entanto, neste ano, a situação foi agravada pelos efeitos encadeados associados à pandemia de covid-19.
Normalmente, as indústrias empenham esforços em compor estoques antes de abril, prevendo que a captação caia nos meses posteriores. Contudo, em abril deste ano, as perspectivas negativas sobre o consumo no médio e longo prazos diante da pandemia aumentaram o nível de incerteza e fizeram com que indústrias diminuíssem seus investimentos em estoques.
No entanto, o consumo de lácteos se recuperou em maio e até se aqueceu nos meses posteriores, ancorado nos programas de auxílio emergencial, contexto que reduziu ainda mais os estoques. Diante disso, os preços dos derivados lácteos seguiram avançando em julho e também na primeira quinzena de agosto. O maior destaque é o queijo muçarela, derivado que registrou preço médio mensal recorde em julho – e que deve ser superado também em agosto (ver seção Derivados).
A competição pela compra da matéria-prima e a baixa disponibilidade de leite resultaram em aumento das cotações no campo. O valor do leite spot (negociado entre indústrias) em Minas Gerais saltou de R$ 2,24/litro na primeira quinzena de junho para R$ 2,75 na segunda quinzena de agosto, expressiva elevação de 22,6%. A média mensal de agosto, de R$ 2,66/litro, superou em 12,2% a de julho e em significativos 68,1% a de agosto de 2019, em termos reais. É, também, o maior valor da série histórica do Cepea, iniciada em julho em 2004.
Comentários CORRIGIR TEXTO