Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de junho de 2018.
Dia Mundial da Ecologia e do Meio Ambiente.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

05/06/2018 - 09h06min. Alterada em 05/06 às 09h42min

México detalha tarifas adotadas em retaliação contra os EUA e deve recorrer na OMC

O México irá cobrar impostos na importação de diversos produtos, que inclui tarifa de 25% sobre o aço

O México irá cobrar impostos na importação de diversos produtos, que inclui tarifa de 25% sobre o aço


IBRAHIM CHALHOUB/AFP/JC
O México detalhou nesta terça-feira (5), em seu diário oficial, as tarifas que já havia dito que adotaria em retaliação contra os Estados Unidos, após na semana passada o presidente americano, Donald Trump, levar adiante sua ameaça de impor tarifas à importação de aço e alumínio da nação vizinha. De acordo com a tabela divulgada, o México cobrará, por exemplo, imposto de 20% sobre pernas e paletas de porco, presuntos, maçãs e batatas americanas, e de 25% sobre chapas de aço, revestidos de alumínio e outros itens, como whisky.
Em nota de ontem, o governo mexicano anunciou que entrará em processo de solução de controvérsias contra os EUA na Organização Mundial de Comércio (OMC). A administração do presidente Enrique Peña Nieto contestou o argumento dado pelos EUA, de proteção à segurança nacional, e disse que a ação americana viola as normas da OMC. "O governo do México referenda que suas ações continuarão a se apegar ao Estado de Direito comercial internacional e serão proporcionais ao dano que o México lamentavelmente receba", diz o comunicado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia