Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de junho de 2018.
Dia Mundial da Ecologia e do Meio Ambiente.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Imobiliário

Alterada em 05/06 às 09h33min

Preço dos imóveis residenciais de Porto Alegre tem alta de 0,14% em maio

Em Porto Alegre, o metro quadrado foi avaliado em R$ 5.678

Em Porto Alegre, o metro quadrado foi avaliado em R$ 5.678


CLAITON DORNELLES /JC
O preço de venda de imóveis residenciais, calculado pelo Índice FipeZap, encerrou o mês de maio com leve queda de 0,01%. Onze das 20 cidades monitoraras registraram aumento de preço no período. Em Porto Alegre, a alta registrada foi de 0,14%, conforme levantamento da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).
O preço médio do metro quadrado para venda ficou em R$ 5.678 no mês na Capital gaúcha. De acordo com os dados, os bairros mais caros para se adquirir um móvel são Bela Vista, Moinhos de Vento, Mont'Serrat, Auxiliadora e Boa Vista. Na contramão, Coronel Aparício Borges, Farrapos, Humaitá, Mário Quintana e Lomba do Pinheiro concentraram os valores mais baratos por metro quadrado.
O valor médio de venda dos imóveis residenciais nas 20 cidades pesquisadas foi de R$ 7.543/m² em maio. Rio de Janeiro se manteve como a cidade com o metro quadrado mais caro do país (R$ 9.596/m²), seguida por São Paulo (R$ 8.755/m²) e Distrito Federal (R$ 7.725/m²). Já as cidades monitoradas com menor valor médio por m² foram Contagem (R$ 3.498/m²), Goiânia (R$ 4.122/m²) e Vila Velha (R$ 4.715/m²).
Em 2018, preço médio de venda de imóveis residenciais recuou 0,10%, em termos nominais. Nos últimos 12 meses, queda é de 0,56%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia