Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

05/06/2018 - 08h49min. Alterada em 05/06 às 08h49min

Petróleo amplia perdas com possibilidade de ampliação da oferta

Os futuros de petróleo operam em baixa na manhã desta terça-feira (5), ampliando perdas recentes, à medida que investidores aguardam decisão de grandes produtores sobre a possível ampliação de sua oferta.
Os futuros de petróleo operam em baixa na manhã desta terça-feira (5), ampliando perdas recentes, à medida que investidores aguardam decisão de grandes produtores sobre a possível ampliação de sua oferta.
Às 8h35min (de Brasília), o barril do Brent para agosto caía 1,69% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 74,02, enquanto o do WTI para julho recuava 0,60% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 64,36.
A Arábia Saudita, líder informal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), recentemente sinalizou desejo de relaxar as restrições do atual acordo que ajudou a reequilibrar o mercado da commodity.
Desde o começo do ano passado, Opep e dez grandes produtores que não pertencem ao cartel, incluindo a Rússia, vêm reduzindo sua oferta combinada em torno de 1,8 milhão de barris por dia, numa tentativa de impulsionar os preços do petróleo.
No próximo dia 22, durante reunião em Viena, Opep e parceiros irão reavaliar a possibilidade de aumentar sua produção. Em princípio, os termos do acordo seriam mantidos até o fim de dezembro.
"O tema dominante para o Brent é a futura reunião da Opep e a perspectiva de oferta maior que será discutida e decidida na reunião", comentou Carsten Fritsch, analista de petróleo do Commerzbank.
Enquanto o Brent tem sido relativamente sustentado pelo aperto na oferta global, o WTI vem sendo pressionado por uma forte expansão na produção dos EUA, capitaneada pela indústria de óleo de xisto. Dados oficiais mostraram que a produção americana atingiu recorde de 10,47 milhões de barris por dia na semana encerrada em 26 de maio.
No fim da tarde de hoje, às 17h30min (de Brasília), a atenção vai se voltar para pesquisa semanal do American Petroleum Institute (API) sobre estoques de petróleo e derivados dos EUA. O levantamento oficial, do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) e que inclui números de produção, está programado para amanhã.