Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

combustíveis

Alterada em 04/06 às 20h03min

Paulo Hartung defende que Petrobras reveja política de preços dos combustíveis

O governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (MDB), defendeu nesta segunda-feira (4), que a Petrobras reveja a sua política de preços e admita uma maior periodicidade dos reajustes dos combustíveis, mas sem que se perca de vista as flutuações do mercado internacional. Para o emedebista, os reajustes diários feitos atualmente ficam "pesados" para o consumidor final.
"Acho que pode trabalhar periodicidade da correção mas continuar balizada no mercado internacional", afirmou o emedebista ao Broadcast Político, sem avançar em como essa mudança poderia ser feita. "Os reajustes não precisam ser diários. O diário mistura preço do barril, a variação cambial, fica tudo muito pesado", avaliou o governador capixaba, que tem formação de economista e é reconhecido por ter perfil fiscalista.
Oficialmente, a posição do governo é que a política de reajustes da Petrobras está mantida. Para aplacar os protestos, a ideia é apresentar uma "política para o consumidor", que criaria uma espécie de seguro no qual o governo estima um valor médio para a cotação do barril de petróleo e ajusta a tributação de acordo com a variação. Apesar disso, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, admitiu ontem que a estatal pode rever a diretriz.
Hartung lamentou também a saída de Pedro Parente da direção da estatal e fez uma defesa do executivo. "Parente fez um movimento em defesa da empresa ao pedir demissão, porque facilitou a entrada de um bom quadro como seu substituto", disse, em referência a Ivan Monteiro. "O Ivan na presidência é a garantia de que não vão voltar com as maluquices para dentro da empresa".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia