Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

corrupção

Alterada em 22/05 às 08h26min

Último recurso de Azeredo contra sua prisão é julgado nesta terça-feira pelo TJ-MG

Eduardo Azeredo foi condenado pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro no mensalão mineiro

Eduardo Azeredo foi condenado pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro no mensalão mineiro


Zeca Ribeiro/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) julga nesta terça-feira (22) embargos de declaração apresentados pelo ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB) contra a condenação a 20 anos e 1 mês de prisão, pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, por envolvimento no mensalão mineiro. Este é o último recurso possível à defesa - se for rejeitado, Azeredo pode ter sua prisão decretada.
Para evitar que o julgamento fosse adiado, o TJ-MG substituiu um dos desembargadores responsáveis pelo julgamento. O motivo é a apresentação de um atestado médico pelo desembargador Eduardo Machado. Não foi informado o problema de saúde pelo qual passa o magistrado. Ele será trocado por Fernando Caldeira Brant.
Segundo o TJ-MG, o recurso de Azeredo só pode ser analisado com a presença de todos os cinco desembargadores da 5ª Câmara Criminal. A convocação do substituto, que pertence à 4ª Criminal, foi feita nesta sexta-feira (18). Eduardo Machado votou a favor de Azeredo no julgamento dos embargos infringentes, que poderiam influir na execução da pena. Na sessão, o tucano foi derrotado por 3 votos a 2. Procurada, a defesa de Azeredo não respondeu ao contato feito pela reportagem.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia