Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

17/05/2018 - 22h49min. Alterada em 17/05 às 22h50min

Em vídeo, Temer destaca números da operação contra pedofilia

Agência Brasil
O presidente Michel Temer gravou um vídeo ao lado do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, exaltando a operação Luz na Infância 2. A operação conjunta de polícias civis deflagrada hoje (17), resultou em 251 prisões ao longo do dia, realizadas em 284 cidades de 24 estados e do Distrito Federal.
"Mais de 250 detenções, além de mais de 500 mandados de busca e apreensão. [.] É a segurança pública do governo federal, comandada pelo ministro Raul Jungmann, que dá os melhores resultados", disse o presidente. Do total de prisões, 128 foram na região Sudeste, 47 no Nordeste, 38 no Sul, 21 no Centro-Oeste e 17 no Norte. Ao todo, foram expedidos 579 mandados.
Temer também lembrou os resultados da Operação Tiradentes 2, que prendeu quase 5 mil pessoas no último fim de semana. O vídeo foi divulgado na conta do presidente no Twitter. Jungmann lembrou da importância de um ministério para organizar a atuação de todas as forças de segurança pública do país.
"A criação do ministério permite que tenhamos, pela primeira vez, uma política nacional de segurança. E essa política faz com que, de forma integrada, as polícias Civil e Militar, Polícia Federal, guardas municipais, enfim, todas as forças de segurança, possam atuar conjuntamente, em todo o território nacional, apresentando resultados que vão ao encontro do desejo de todos: mais segurança, menos violência".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia