Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 11/05 às 14h14min

Governo alemão admite que empresas do país terão de obedecer a sanções ao Irã

O ministro da Economia da Alemanha, Peter Altmaier, disse nesta sexta-feira (11) que, embora Berlim planeje permanecer no acordo nuclear internacional com o Irã, não há muito que ele possa fazer para evitar que empresas alemãs que queiram proteger seus interesses em solo americano tenham de obedecer às sanções dos Estados Unidos contra o país persa.
Em entrevista à emissora de rádio Deutschlandfunk, Altmaier afirmou que planeja continuar a conversar com os seus "parceiros e amigos americanos muito abertamente, muito honestamente e, também, muito claramente" sobre os interesses alemães.
No entanto, ele apontou que, com a ameaça iminente de que Washington possa confirmar a imposição de tarifas sobre as exportações de aço e alumínio que partem da União Europeia, a Alemanha "tem de fazer tudo que for possível para mitigar a possibilidade de uma escalada" desse tipo de medida.
Altmaier rejeitou a possibilidade de compensar companhias alemãs que perderem negócios no Irã devido às novas sanções, acrescentando que as próprias empresas têm de fazer "qualquer decisão for a correta em seus casos individuais" a respeito de manter relações econômicas com Teerã.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia