Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 06 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Notícia da edição impressa de 07/05/2018. Alterada em 06/05 às 21h22min

Filha do ex-deputado Eduardo Cunha disputará a eleição

Publicitária quer usar o espólio eleitoral do pai, preso desde outubro de 2016

Publicitária quer usar o espólio eleitoral do pai, preso desde outubro de 2016


FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR/Arquivo/JC
Filha do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a publicitária Danielle Dytz da Cunha quer usar o espólio eleitoral do pai, preso desde outubro de 2016 na Lava Jato, para tentar conquistar uma vaga neste ano na Câmara. Ela busca apoio de igrejas evangélicas, mesmo reduto que garantiu a Cunha maior parte dos 232,7 mil votos que teve em 2014, quando foi o terceiro deputado mais votado.
Danielle decidiu disputar as eleições a pedido do pai, que está inelegível até 2027 após ter o mandato cassado em setembro de 2016 por ter mentido sobre a posse de contas bancárias no exterior. Sem foro privilegiado, Cunha foi preso um mês depois da cassação por ordem do juiz federal Sérgio Moro, que condenou o emedebista posteriormente a 15 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem e evasão de divisas no âmbito da Lava Jato.
O primeiro passo para viabilizar a candidatura de Danielle foi se filiar ao mesmo partido do pai, o PMDB em 3 de outubro passado, pouco mais de seis meses após a condenação de Cunha por Moro. A ficha de filiação foi abonada pelo deputado federal Marco Antônio Cabral (PMDB-RJ). Ele é filho do ex-governador Sérgio Cabral, condenado a mais de 100 anos de prisão pela Lava Jato.
Filiada, Danielle procurou apoio da Assembleia de Deus de Madureira - que, só no Rio, tem cerca de 250 mil fiéis, segundo cálculos não oficiais de seus integrantes. Essa foi a mesma igreja que apoiou a eleição de Eduardo Cunha em 2014. No ano seguinte foi citada em denúncia do Ministério Público, que acusou Cunha de receber pelo menos R$ 250 mil em propinas por intermédio da instituição religiosa.
Desde então, a publicitária passou a frequentar eventos da igreja. No feriado de 1º de maio, por exemplo, participou da tradicional confraternização das filiais da Assembleia de Deus de Madureira no Rio.  
Com ou sem o apoio da igreja, a candidatura da filha de Cunha é dada como certa no PMDB. "Ela será candidata e será eleita", disse à reportagem o presidente nacional do partido, senador Romero Jucá (RR). "Ela tem potencial", aposta o deputado federal Leonardo Picciani, presidente estadual do MDB no Rio - cujo pai, o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Rio Jorge Picciani (MDB), também está preso, embora em regime domiciliar.
Picciani foi procurado recentemente por Danielle, que pediu para disputar uma das vagas de deputada federal pela legenda. Os dois se reuniram na sede do partido no Rio. No encontro, segundo relatos, ele garantiu que o partido vai incluí-la na lista de candidatos. A publicitária é um dos seis nomes que o PMDB do Rio espera eleger para a Câmara neste ano. Em 2014, foram oito, o que tornou a bancada emedebista fluminense a maior dentro do partido na Casa.
Procurada, Danielle Cunha não quis se manifestar.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia