Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 30 de junho de 2018.
Dia do Economista.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 15/05/2018. Alterada em 15/06 às 15h53min

Tsunami digital: implicações no mercado

Alex Pipkin
A mola mestra do capitalismo é inovação. O sistema se reinventa. A revolução digital entabulou transformação sem precedentes. O capitalismo se assenta na doutrina baseada na propriedade privada dos meios de produção. Mais mercado e menos Estado.
Automação impactará tudo e a todos. Sua "face oculta" resulta na melhoria de produtividade e redução de custos por meio de novos processos, modelos de gestão etc.
Pesquisas fidedignas revelam envelhecimento da força de trabalho brasileira. Associado ao impacto da automação no mercado de trabalho, tenderá a aumentar a desigualdade de renda. Para trabalhadores qualificados, maiores oportunidades. Grande parte do contingente de trabalhadores, terá que ser treinada para o "novo mundo". Alguns se adaptarão, parte deslocada para atividades com menor remuneração e outra fração ficará sem emprego. Papel de conversão desses trabalhadores deverá ser conduzido pela iniciativa privada. Alternativa é radicalização de cursos técnicos, preparatórios para o mercado.
Conjectura-se crescimento da oferta, contudo, menos gente com poder de compra. É razoável supor forte pressão para maior intervenção do Estado no mercado. Vozes se erguerão na direção de mais proteção, regulação, impostos. Na arena de mercado, recrudescerão estratégias customizadas e outras com modelos de negócios focados no consumidor de baixa renda. Neste cenário, cabe ao Estado propor, com a sociedade, um processo de inovação na educação. É base vital. Como de costume, seremos atingidos pelas transformações tecnológicas mais tardiamente. Toca ao Estado planejar e executar políticas de educação, saúde e segurança. Espera-se gestão qualificada. Quanto a atividade econômica, desejo que o mercado possa se ajustar, de maneira fecunda, as transformações e turbulências vindouras.
Professor da Unisinos e consultor empresarial
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia