Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 20 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Iraque

Alterada em 20/05 às 20h34min

Al-Sadr diz que próximo governo do país será 'inclusivo'

O clérigo xiita Muqtada al-Sadr, cuja coalizão conquistou o maior número de assentos nas eleições parlamentares do Iraque, buscou tranquilizar os iraquianos sobre o próximo governo, dizendo que será "inclusivo" e atento às necessidades da população. Nenhum bloco conseguiu a maioria nas eleições de 12 de maio, com a perspectiva de semanas ou mesmo meses de negociações para se chegar a um acordo sobre um governo. Importantes atores políticos começaram as negociações logo após os resultados parciais da eleição terem sido anunciados na semana passada.
A última rodada de conversas foi realizada no domingo entre al-Sadr e Hadi al-Amiri, líder de uma coalizão de forças paramilitares xiitas apoiadas pelo governo e pelo vizinho Irã. Na noite de sábado, al-Sadr se encontrou com o primeiro-ministro Haider al-Abadi, cujo bloco fez uma votação surpreendentemente fraca, terminando em terceiro lugar atrás dos blocos liderados por al-Sadr e al-Amiri.
Falando depois de suas conversas com al-Abadi, al-Sadr disse que a primeira reunião pós-eleição entre os dois "envia uma mensagem clara e reconfortante para o povo iraquiano: o seu governo cuidará de você e será inclusivo, não excluiremos ninguém. Trabalharemos em prol da reforma e prosperidade". Ele não elaborou nem forneceu detalhes sobre o que ele e al-Abadi discutiram.
Al-Sadr disse a al-Amiri na reunião entre os dois que queria um governo formado rapidamente para fornecer serviços aos iraquianos e "expressar suas legítimas aspirações", de acordo com um comunicado emitido por seu gabinete. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia