Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

Alterada em 14/05 às 11h30min

Trump afirma que EUA está comprometido a facilitar paz entre Israel e Palestina

O embaixador dos EUA em Israel e o conselheiro da Casa Branca durante abertura da embaixada

O embaixador dos EUA em Israel e o conselheiro da Casa Branca durante abertura da embaixada


MENAHEM KAHANA/AFP PHOTO/JC
O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que seu país está "totalmente comprometido" em facilitar um "acordo de paz duradouro" no Oriente Médio. O comentário foi feito em vídeo pré-gravado exibido durante cerimônia de abertura da nova embaixada americana hoje em Israel. No fim do ano passado, numa decisão que gerou revolta nos territórios palestinos e a indignação de vários líderes mundiais, Trump decidiu transferir a representação diplomática dos EUA de Tel-Aviv para Jerusalém.
Ainda na gravação, Trump disse que os EUA estendem uma "mão de amizade" a Israel e palestinos e respeitam o status quo de locais religiosos em Jerusalém. A placa da nova embaixada dos EUA em Jerusalém foi revelada pelo Secretário de Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, e por Ivanka Trump, filha do presidente americano.
Em discurso na cerimônia, Jared Kushner, marido de Ivanka e conselheiro de Trump, disse que a inauguração da embaixada mostra que os EUA "farão o que é certo" e fortalece os laços entre Washington e Israel. Mais cedo, ao menos 37 manifestantes palestinos morreram em confrontos com militares israelenses na cerca que divide a faixa de Gaza e Israel, no dia mais letal na região desde a guerra de 2014.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia