Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Argentina

Alterada em 10/05 às 14h54min

Congresso argentino derrota Macri e aprova limites no aumento de tarifas

Presidente argentino já indicou que vetará o projeto, mesmo se ele for aprovado também no Senado

Presidente argentino já indicou que vetará o projeto, mesmo se ele for aprovado também no Senado


EMILIANO LASALVIA/AFP/JC
Em meio a duras críticas ao pedido de ajuda do governo argentino ao Fundo monetário internacional (FMI), a Câmara de Deputados do país, de maioria opositora, aprovou em meia-sanção - o que significa que a legislação passa agora ao Senado, também opositor - o projeto de lei que busca limitar os aumentos de tarifas.
Os chamados "tarifaços" têm sido realizados pelo governo desde que Mauricio Macri assumiu a presidência em 2015, para cortar gastos sociais, retirando gradualmente os generosos subsídios do kirchnerismo (2003-2015). São, porém, altamente impopulares.
A votação da última madrugada ocorreu em meio a protestos do lado de fora do Congresso. A oposição saiu vencedora, por 133 votos contra 94, e rejeitou o aumento que chegaria a 40% em tarifas de gás, eletricidade e luz. A tensão agora se volta para o Executivo, pois Mauricio Macri já indicou que vetará o projeto, mesmo se for aprovado pelas duas câmaras.
Se isso ocorrer, a tensão entre Executivo e Congresso tende a se elevar, tendo havido, nas últimas semanas, o abandono da aliança governista Cambiemos de parte dos deputados da União Cívica Radical, principal partido da base de apoio de Macri.
A pressão do lado de fora do Congresso se estendeu durante a noite, e apoiadores dos partidos de esquerda preparam novos atos se Macri vetar a lei de aumentos.
Algo parecido aconteceu no primeiro tarifaço, em 2016, quando o caso foi levado à Suprema Corte, e o governo teve de baixar o teto do aumento pretendido, que chagava a quase 1000% em alguns casos.
Apesar de o tom das ruas ter sido marcado pela rejeição às tarifas, havia muitos cartazes contra o FMI, e o pedido de ajuda foi citado por vários dos deputados que votaram contra o "tarifaço", como o ex-candidato presidencial Nicolás Del Caño, que usou durante toda a tarde, como vários de seus colegas, o cartaz "Não ao FMI" diante de seu microfone.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia