Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de maio de 2018.
Dia Mundial da Energia. Dia do Estatístico. Dia do Geógrafo.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Protestos

Alterada em 29/05 às 08h21min

Governo teme que movimento siga caminho de 2013

Interlocutores de Michel Temer admitem que a paralisação aumentou o desgaste do presidente

Interlocutores de Michel Temer admitem que a paralisação aumentou o desgaste do presidente


ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/AFP/JC
O governo já avalia, nos bastidores, que subestimou o potencial da greve dos caminhoneiros e agora tem receio de que o movimento tome uma proporção semelhante à dos protestos de 2013, ressuscitando o "Fora Temer". Em conversas reservadas, interlocutores de Michel Temer admitem que a paralisação aumentou o desgaste do presidente e há preocupação de que os protestos nas ruas, por causa do desabastecimento, se transformem em uma convulsão social.
A portas fechadas, auxiliares de Temer reconhecem que demoraram a perceber a presença de empresários incentivando a continuidade do movimento, o chamado locaute, para obter a redução do preço do óleo diesel. Avaliam, ainda, que também demoraram a identificar o caráter político-partidário de parte dos manifestantes.
Acuado, o governo agora teme as consequências da disputa entre os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE). "Temos de colocar menos gasolina e mais diálogo sobre a greve", disse Maia, na segunda-feira (28) após se reunir com Temer, no Planalto. O deputado fez questão de destacar que a Câmara e o governo têm "visões distintas" sobre a questão tributária.
Foi de Maia a proposta aprovada pela Câmara, na semana passada, zerando o PIS/Cofins sobre o diesel. Com cálculos errados nas mãos, ele chegou a dizer que o custo dessa isenção seria de R$ 3,5 bilhões, quando, na realidade, ficaria em aproximadamente R$ 10 bilhões.
As articulações de Maia, que é pré-candidato à presidência, têm irritado cada vez mais o Planalto. Além disso, o governo identificou que simpatizantes do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) se infiltraram na greve. Há também apreensão com a promessa de greve de 72 horas dos petroleiros, anunciada para quarta-feira (30). No diagnóstico do Planalto, esse movimento tem o apoio do PT e da CUT.
"Há movimentos político-partidários que querem agudizar a crise e a população deve estar atenta a isso", afirmou o líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR). "Não dá para fazer disputa eleitoral em um momento como esse. Os petroleiros têm de discutir salário na data-base da categoria".
Além de enfrentar desgaste, o Planalto também contrariou o governador de São Paulo, Márcio França (PSB). No sábado (26), França propôs um acordo com os caminhoneiros muito parecido com o que Temer anunciou na noite de domingo (29).
Candidato à reeleição ao Bandeirantes, França pediu ao presidente que a negociação fosse feita com o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia. Temer, no entanto, enviou a São Paulo o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun. O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, pré-candidato do MDB ao Bandeirantes, não gostou do protagonismo dado a França, seu adversário.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia