Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 01 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Incêndio

01/05/2018 - 14h58min. Alterada em 01/05 às 15h09min

União diz que prédio que desabou estava cedido à Prefeitura de SP

Governo diz que local que incendiou estava cedido à Prefeitura de São Paulo

Governo diz que local que incendiou estava cedido à Prefeitura de São Paulo


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
O presidente Michel Temer confirmou nesta terça-feira (1) que o prédio que pegou fogo e desabou no centro de São Paulo era da União. Segundo o governo federal, a última invasão no local aconteceu quando o edifício estava cedido à Prefeitura. Pouco depois, o prefeito Bruno Covas (PSDB) afirmou que o Município fez tudo o que pode em relação ao prédio - diversas reuniões com moradores, para negociar uma saída pacífica, e também com a União, na tentativa de assumir o edifício e encaminhar uma resolução.
"A Prefeitura não pode ser acusada de se furtar à responsabilidade. Só neste ano, desde fevereiro, fizemos seis reuniões com os moradores. O núcleo de intermediação com áreas invadidas fez seis reuniões com eles alertando destes riscos", disse Covas. O prefeito afirmou que como a Prefeitura não tem a posse do imóvel não poderia ter entrado com pedido de reintegração.
Segundo o superintendente de patrimônio da União no Estado de São Paulo, Robson Tuma, o imóvel está no nome da Caixa Econômica Federal desde 1968 e foi sede da Polícia Federal e de um posto do INSS. O prédio foi repassado pela Caixa à União, mas um conflito sobre pagamento de taxas levou o caso à Justiça. Ou seja, ele é da União, mas está no nome da Caixa.
Em julho de 2014, a União obteve uma reintegração de posse da área, mas o imóvel foi novamente invadido cerca de dois meses depois, quando já havia sido cedido à Prefeitura de São Paulo. De acordo com Tuma, no fim da gestão Fernando Haddad (PT), a Prefeitura teria manifestado a intenção de encerrar o termo de cessão, mas na gestão João Doria (PSDB) foi fechado novamente acordo para que o espaço fosse utilizado pelas Secretarias Municipais de Educação e de Cultura.
"Não é o momento de responsabilizar ninguém, a responsabilidade é de todos os órgãos públicos. E agora nós estamos em tratativas para tentar mostrar que isso pode acontecer em outros casos", disse Tuma. "Apesar de ter sido feita cessão para a Prefeitura, nós não vamos fugir da responsabilidade da União."
O governo federal informou que a Defesa Civil Nacional está acompanhando as buscas e o atendimento à população após o desabamento do prédio. O ministro da Integração Nacional, Antônio de Pádua Andrade, esteve em contato com o governador de São Paulo, Márcio França, e com Covas para disponibilizar apoio às ações de socorro e na assistência às vítimas.
O incêndio no prédio de 24 andares começou por volta da 1h30 desta quarta-feira, 1, e logo espalhou por todo imóvel. Os bombeiros foram acionados e, enquanto combatiam o fogo, o edifício desabou. Oficialmente, o resgate trabalha com uma pessoa desaparecida.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia