Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 20 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Campeonato Brasileiro

Alterada em 20/05 às 21h43min

Chamusca não resiste a péssimo início de Brasileirão e é demitido no Ceará

Marcelo Chamusca não resistiu ao péssimo começo de Campeonato Brasileiro pelo Ceará e é o primeiro treinador a ser demitido na edição 2018 do torneio nacional. A diretoria do clube informou a saída do treinador neste domingo, quando a delegação desembarcou em Fortaleza após derrota para o Vitória, por 2 a 1, pela manhã em Salvador, pela sexta rodada. São 42 dias sem vitórias, incluindo a Série A e a Copa do Nordeste.
Em nota no site oficial, o Ceará também confirmou as saídas do auxiliar técnico Caé Cunha e do preparador físico Roger Gouveia. Nesta segunda-feira, a diretoria deve confirmar quem estará no banco de reservas para o duelo contra o CRB, na próxima quarta-feira, pelas quartas de final da Copa do Nordeste. Não está descartada a hipótese do novo treinador ser anunciado.
Contratado em junho do ano passado, para a disputa da Série B, Chamusca comandou o Ceará em 64 jogos, conquistando 34 vitórias, 17 empates e 13 derrotas, com 62% de aproveitamento. No final do ano, ele cumpriu o objetivo principal da temporada, que era levar o time de volta à elite nacional.
Campeão cearense neste ano e com boa campanha na Copa do Nordeste, o treinador não resistiu ao péssimo início do Brasileirão. Em seis jogos, foram três derrotas e três empates. A campanha deixa o time cearense na penúltima posição, com três pontos.
"Todo mundo quer que o Ceará volte a vencer e só tem uma coisa que vai permitir isso, é a união de todos os setores que foram fortes quando conseguimos os objetivos: diretoria, jogadores, comissão técnica e torcedores. Não existe outra forma", afirmou Chamusca em sua última entrevista coletiva no começo da tarde, antes de cair.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia