Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

campeonato brasileiro

12/05/2018 - 17h53min. Alterada em 12/05 às 18h33min

Grenal 416 termina sem gols na Arena

Partida teve lances polêmicos e atuação fraca do Internacional

Partida teve lances polêmicos e atuação fraca do Internacional


LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA/JC
Igor Natusch
É justo dizer que, das quase 52 mil pessoas que foram à Arena neste sábado (12), a ampla maioria esperava – ou temia – testemunhar uma vitória gremista. Afinal, o Tricolor vivia um momento de goleadas e atuações quase mágicas, enquanto o Inter sofria com a proximidade da ponta de baixo do Campeonato Brasileiro, com direito a especulações de demissão em torno do treinador Odair Hellmann. O que se teve, porém, foi um jogo pouco bonito e um empate sem gols, onde a marcação incansável do Colorado acabou sendo vitoriosa diante do sempre insinuante, mas insuficiente toque de bola tricolor. Com o resultado, o Grêmio deixa de colar de vez nos líderes, mas mantém a sequência invicta nas três competições que disputa. O Inter, por sua vez, chega a quatro jogos sem vitória e segue na parte de baixo na tabela, mas pôde comemorar, mesmo que discretamente, um resultado melhor do que muitos previam antes da partida começar.
Já pressionado pela necessidade de reabilitação, o Inter teve uma surpresa antes mesmo da bola rolar, com D’Alessandro ficando no banco após sentir desconforto na coxa esquerda. Também sem William Pottker, expulso na rodada anterior, Odair Hellmann optou por Rossi, deixando Nico López, autor dos dois gols colorados no Brasileirão, entre os reservas. O uruguaio acabou não entrando na partida e Zeca, contratado para resolver a lateral direita, estreou fora de posição, compondo a linha de quatro no meio-campo.
No lado azul do clássico, por sua vez, a surpresa foi Madson, que foi a campo no lugar de Léo Moura, vetado por dores musculares. Único suspenso, Ramiro foi naturalmente substituído por Alisson, de boa atuação contra o Goiás, na Copa do Brasil.
Antes da bola rolar, o minuto de silêncio foi para Fábio Koff, dirigente histórico do Grêmio falecido dias atrás. Os aplausos foram intensos, com adesão inclusive de boa parte da torcida colorada presente no estádio. Após a homenagem, os primeiros minutos mostraram um Inter marcando forte, tentando dificultar a saída com bola dominada do Tricolor. Mesmo dono das iniciativas, o Grêmio encontrava dificuldade para criar chances de gol, e quem chegava no contra-ataque era o Colorado, embora sem maior perigo.
Com o passar dos minutos, porém, a superioridade técnica gremista foi ficando mais clara. Aos 29 minutos, a torcida gremista indignou-se com um suposto pênalti sobre Cortez, não assinalado pela arbitragem. Aos 37, um cabeceio de Geromel em cobrança de escanteio passou perto do travessão. Ao final da primeira etapa, a posse de bola do Tricolor aproximava-se dos 80%, mas dava para contar as conclusões nos dedos de uma mão – sinal de que, mesmo sem brilhantismo, a estratégia colorada não deixava de ter sucesso.
Após a conversa de vestiário, o Grêmio voltou a campo dando sinais claros de querer resolver a partida o mais rápido possível. Antes dos dois minutos, depois de uma sequência de três escanteios, André perdeu um gol feito, chutando por cima após cruzamento de Luan. Pressionado, o Inter segurava as pontas como podia, tentando sobreviver ao momento mais intenso de pressão.
De fato, após alguns minutos angustiantes para o torcedor colorado, a situação voltou a ser mais o menos a do primeiro tempo: o Grêmio com a bola quase o tempo todo, mas sem sucesso na hora do penúltimo passe. O cenário dava a entender que o gol gremista podia acontecer em breve, mas, ao mesmo tempo, faltavam conclusões tão necessárias para balançar as redes.
Aos 30 minutos, nova polêmica: em uma escaramuça na área colorada, a bola bateu no braço de Victor Cuesta, mas a arbitragem interpretou como lance legal. O lance marcou uma investida final do Tricolor em busca da vitória. Dois minutos depois, Madson ficou livre após rápida cobrança de Alisson, mas pegou mal e chutou longe. Aos 35, Madson teve de novo a chance em cabeceio, mas Danilo Fernandes salvou. No rebote, Geromel furou em bola. E Luan, aos 36, chutou de fora da área, com muito perigo.
Nos últimos minutos, a aposta de Renato Portaluppi foi no sangue novo, com Cícero e Lima entrando nos lugares dos extenuados Arthur e Everton. O Grêmio desistiu da troca criteriosa de passes e foi para cima – mas o Inter manteve foco absoluto na marcação, compensando com entrega o que faltava em qualidade técnica e, nos instantes finais, em fôlego. Um empate que retratou, nas estatísticas, o melhor momento gremista, mas que, no final das contas, agradou um pouco mais o lado vermelho do Rio Grande. A equipe gremista agora pega a ponte aérea e vai à Venezuela, onde enfrenta o Monagas, pela Libertadores, na terça-feira. O próximo compromisso colorado é na segunda-feira, dia 21, quando encara a Chapecoense, em casa. 
Grêmio x Internacional
Marcelo Grohe, Madson, Geromel, Kannemann e Cortez; Maicon, Arthur (Cícero), Alisson, Luan e Everton (Lima); André (Tonny Anderson). Técnico: Renato Portaluppi.
Danilo Fernandes; Fabiano, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado, Rossi (Juan Alano), Zeca (Gabriel Dias), Patrick e Lucca; Leandro Damião (Brenner). Técnico: Odair Hellmann.
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Alexandre 12/05/2018 18h47min
Num empate, superior é quem ia perder e não perde ou quem ia ganhar e não ganha?