Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

CORRIGIR

Inter

09/05/2018 - 22h49min. Alterada em 09/05 às 22h44min

Protestos de torcedores alteram cronograma de treinos colorado

Pouco mais de 50 torcedores protestaram em frente a um dos portões do Beira-Rio, na manhã de ontem, enquanto os jogadores colorados trabalhavam no estádio. A manifestação fez com que a direção e a comissão técnica do Inter mudassem os planos da preparação para o clássico Grenal deste sábado, na Arena, pelo Campeonato Brasileiro.
Conforme a programação divulgada inicialmente, todas as atividades seriam pela manhã, em Porto Alegre. No entanto, após o ocorrido, o cronograma mudou. A concentração foi antecipada para hoje, logo após o treino que ocorre já no Hotel Vila Ventura, em Viamão.
Na coletiva de hoje, apenas um jogador e o técnico Odair Hellmann serão ouvidos, e só voltarão a falar depois do jogo. A imprensa está proibida de ter acesso ao resort. Por lá serão realizados dois treinamentos, na tarde de quinta e na manhã de sexta-feira, ambos sem acesso de imprensa ou torcedores. O Vila Ventura fica afastado da zona urbana de Viamão, o que impossibilita a presença de não hóspedes.
O Inter costuma utilizar o hotel em pré-temporadas ou quando está em "apuros". Já foi assim em vários momentos recentes, sendo o último deles no ano passado, quando o então técnico Guto Ferreira preparava o time para uma sequência de partidas da Série B.
A confusão promovida pelo grupo de colorados movimentou o lado de fora do Beira-Rio. Com faixas e cantando alto munidos de um megafone, os fanáticos fizeram cobranças e reclamações. Uma das faixas dizia "Queremos raça". Alguns torcedores usavam rojões para fazer barulho entre uma música e outra, sempre em tom de protesto.
Entre os cânticos, frases como "Não sejam mercenários, respeitem a torcida", "Sejam mais guerreiros" ou ainda a ameaçadora "Se não ganhar, o pau vai cantar". O vice de futebol Roberto Melo, o volante Rodrigo Dourado, Hellmann e o atacante Nico López também foram alvos nominalmente citados nas canções.
Foi o segundo momento de protesto desde a chegada da delegação depois da derrota para o Flamengo, no domingo. No desembarque no aeroporto Salgado Filho, já houve gritos e reclamações. Na tarde de ontem, Nico sofreu algumas ameaças de torcedores enquanto sacava dinheiro em um caixa eletrônico.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia