Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

31/05/2018 - 20h02min. Alterada em 31/05 às 20h02min

Euro sobe com governo na Itália e dólar avança ante peso mexicano após tarifas

O euro chegou ao final da tarde desta quinta-feira (31), em alta ante as principais moedas, influenciado pela formação de governo na Itália. O dólar, por sua vez, foi influenciado pela imposição de tarifas dos EUA ao aço, apresentando movimento distinto: caiu ante o iene e subiu ante as moedas do Canadá e do México.
O euro chegou ao final da tarde desta quinta-feira (31), em alta ante as principais moedas, influenciado pela formação de governo na Itália. O dólar, por sua vez, foi influenciado pela imposição de tarifas dos EUA ao aço, apresentando movimento distinto: caiu ante o iene e subiu ante as moedas do Canadá e do México.
No final da tarde em Nova Iorque, o euro subia para US$ 1,1690, para 127,14 ienes e para 0,8797 libra. O dólar caía para 108,75 ienes, mas avançava para 1,2963 dólar canadense e 19,9716 pesos mexicanos.
Após quase três meses de impasse, a Itália finalmente terá um novo governo. O presidente Sergio Mattarella aceitou a gabinete indicado pelo advogado Giuseppe Conte, que toma posse amanhã (1º) como primeiro-ministro. O jurista chega ao poder após ser indicador pelos populistas do Movimento 5 Estrelas (M5S) e o partido de extrema-direita Liga.
Conte havia sido rejeitado para o cargo no final de semana por insistir no nome do economista eurocético Paolo Savona como ministro de Finanças. Para agradar Mattarella e os investidores, ele agora escolheu o professor Giovanni Tria, crítico mais suave da UE que Savona, para o cargo.
Com este arranjo, fica dissipada neste momento a possibilidade de se convocarem novas eleições, cenário visto pelos investidores como o equivalente a um referendo sobre a permanência da Itália na zona do euro.
Do outro lado do Atlântico, os EUA anunciaram a reimposição já a partir de amanhã de tarifas de importação de 25% sobre o aço e 10% sobre o alumínio comprado da União Europeia, do Canadá e do México.
A medida desagradou os investidores, que viram a possibilidade de recrudescimento da guerra comercial no planeta. Assim, dispararam as compras por segurança, o que explicou a alta do iene. Por sua vez, a moeda americana avançou ante as divisas dos vizinhos alvos da imposição.
Os operadores de moedas aguardam ainda a divulgação do relatório de emprego (payroll) de maio, marcado para as 9h30 (de Brasília) desta sexta-feira.