Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

30/05/2018 - 08h03min. Alterada em 30/05 às 08h03min

De olho na Itália, bolsas asiáticas seguem Nova Iorque e Europa e fecham em forte baixa

As bolsas asiáticas fecharam com robustas perdas nesta quarta-feira (30), seguindo o comportamento negativo de ontem dos mercados acionários de Nova Iorque e da Europa, em meio a preocupações com a crise política italiana.
As bolsas asiáticas fecharam com robustas perdas nesta quarta-feira (30), seguindo o comportamento negativo de ontem dos mercados acionários de Nova Iorque e da Europa, em meio a preocupações com a crise política italiana.
No fim de semana, o presidente da Itália, Sergio Mattarella, bloqueou uma coalizão de partidos populistas, formada pelo Movimento 5 Estrelas e pela Liga, por discordar da indicação de um eurocético para o cargo de ministro da Economia.
Desde então, Mattarella indicou o ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) Carlo Cottarelli como primeiro-ministro designado, mas sua equipe de ministros ainda não foi revelada.
Analistas preveem que Cottarelli ficará apenas provisoriamente no cargo e que novas eleições serão convocadas na Itália, provavelmente durante o outono europeu. O temor é que os populistas saiam fortalecidos numa próxima votação.
As perdas na Ásia foram lideradas pelos mercados chineses. Em sua sexta queda consecutiva, o que não acontecia desde o fim de 2013, o índice Xangai Composto sofreu um tombo de 2,53% hoje, a 3.041,44 pontos, encerrando o pregão no menor nível desde setembro de 2016. Já o menos abrangente Shenzhen Composto caiu 2,82%, a 1.736,34 pontos. Quase 200 ações na China atingiram o limite diário de desvalorização de 10% nesta quarta.
Ontem, os EUA anunciaram que pretendem anunciar uma lista final de US$ 50 bilhões em produtos chineses que serão tarifados em 25% até 15 de junho. A ameaça surpreendeu, levando-se em conta que EUA e China haviam recentemente declarado uma "trégua" em suas desavenças comerciais.
Em Tóquio, o Nikkei recuou 1,52% hoje, em seu pior desempenho em dois meses, a 22.018,52 pontos. Pesaram nos negócios do mercado japonês ações de bancos e de montadoras.
Em outras partes da Ásia, o Hang Seng teve queda de 1,40% em Hong Kong, a 30.056,79 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi caiu 1,96% em Seul, a 2.409,03 pontos, seu menor nível em oito semanas, e o Taiex registrou perda de 1,30%, a maior em seis semanas, a 10.821,17 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana também foi pressionada por ações financeiras, e o S&P/ASX 200 recuou 0,48% em Sydney, a 5.984,70 pontos.