Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

combustíveis

24/05/2018 - 21h51min. Alterada em 24/05 às 22h22min

Governo anuncia acordo com entidades para suspender greve por 15 dias

Acordo foi anunciado em entrevista coletiva na noite desta quinta-feira

Acordo foi anunciado em entrevista coletiva na noite desta quinta-feira


VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL/DIVULGAÇÃO/JC
Após sete horas de reunião, o governo e um grupo de caminhoneiros anunciaram acordo para suspender, por 15 dias, a paralisação que afetava estradas de 23 estados e do Distrito Federal.
Após sete horas de reunião, o governo e um grupo de caminhoneiros anunciaram acordo para suspender, por 15 dias, a paralisação que afetava estradas de 23 estados e do Distrito Federal.
O acordo foi anunciado pelo ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) em entrevista coletiva, na noite desta quinta-feira (24). De acordo com ele, das 11 entidades que participaram das negociações, apenas a União Nacional dos Caminhoneiros não concordou com os termos.
A Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros) confirmou à reportagem que também não concorda com a política do governo. Mais cedo, a associação abandonou a reunião com o governo.
Além de zerar a Cide sobre o diesel - medida já anunciada na terça (22) -, o governo se comprometeu a ressarcir a Petrobras para que a estatal estenda por um mês o desconto de 10% sobre o preço do diesel na bomba.
Na noite de quarta-feira (23), o presidente da estatal, Pedro Parente, havia anunciado a redução do preço por 15 dias. De acordo com o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, a União se comprometeu a ressarcir a petroleira a partir do 16º dia. "Não há nenhum prejuízo para a Petrobras", disse Guardia.
Veja alguns pontos do acordo:
  • Preço do diesel será reduzido em 10% e ficará fixo por 30 dias. O valor ficará fixo em R 2,10 nas refinarias pelo período
  • Os custos da primeira quinzena com a redução, estimados em 350 milhões, serão arcados pela Petrobras. As despesas dos 15 dias restantes ficarão com a União como compensação para a petrolífera.
  • A cada 30 dias, o preço do combustível será ajustado conforme a política de preços da Petrobras e fixado por mais um mês.
  • Não haverá reoneração da folha de pagamento do setor de cargas.
  • Tabela de frete será reeditada a cada três meses- Ações judiciais contrárias ao movimento serão extintas.
  • Multas aplicadas aos caminhoneiros em decorrência da paralisação serão negociadas.
  • Entidades e governo terão reuniões períodicas.
  • Petrobras irá contratar caminhoneiros autônomos como terceirizados para prestação de serviços.
Informações da Folhapress e da Agência Brasil.