Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

petroleo

24/05/2018 - 19h19min. Alterada em 24/05 às 19h19min

Fitch: decisão da Petrobras expõe capacidade do governo de influenciar empresa

A agência de classificação de risco Fitch afirmou nesta quinta-feira (24) que a decisão do Petrobras de reduzir os preços do diesel em 10% nas refinarias e congelar esses preços por 15 dias, em resposta à greve dos caminhoneiros sobre o aumento dos custos de combustível, "ressalta a capacidade contínua do governo brasileiro de influenciar as políticas e decisões da empresa". De acordo com a Fitch, o risco político associado ao controle do governo brasileiro já está incorporado no rating BB- da companhia, com perspectiva estável.
A agência de classificação de risco Fitch afirmou nesta quinta-feira (24) que a decisão do Petrobras de reduzir os preços do diesel em 10% nas refinarias e congelar esses preços por 15 dias, em resposta à greve dos caminhoneiros sobre o aumento dos custos de combustível, "ressalta a capacidade contínua do governo brasileiro de influenciar as políticas e decisões da empresa". De acordo com a Fitch, o risco político associado ao controle do governo brasileiro já está incorporado no rating BB- da companhia, com perspectiva estável.
Em comunicado divulgado nesta quinta-feira (24) a Fitch comenta que considera positiva a política de preços de longo prazo da Petrobras, "já que ela aumentou a previsibilidade do fluxo de caixa e acrescentou transparência aos investidores. A mudança de estratégia também melhorou significativamente a lucratividade da Petrobras, de quando as decisões operacionais eram mais influenciadas pelo governo". A agência lembra, ainda, que a companhia já havia aumentado os preços da gasolina e do diesel em 17% e 16%, respectivamente, em resposta à depreciação do real e ao aumento dos preços do petróleo no mundo.
"A greve dos caminhoneiros tem levantado preocupações sobre a capacidade das empresas brasileiras de manter cadeias de suprimentos just-in-time, bem como exportar produtos em setor-chave, como a agricultura", disse a Fitch. Nesse sentido, a combinação de escassez de produtos críticos e paralisação da atividade econômico no contexto das próximas eleições "poderia resultar em preços de combustível ainda mais elevados e/ou o período de 15 dias pode ser prorrogado", de acordo com a agência.
No cenário atual, no qual a Petrobras voltará gradualmente à política de preços, a perda estimada da companhia de cerca de US$ 100 milhões durante o período representa menos de 0,5% do Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) estimado pela Fitch para a companhia em 2018, de US$ 26 bilhões. "Além disso, a decisão não altera substancialmente nossa projeção de alavancagem líquida de 3,5x para este ano, que pressupõe uma redução potencial do Ebitda da venda de ativos", além da possibilidade de impostos mais altos, junto com a previsão da Fitch de que o preço médio do petróleo tipo Brent para este ano seja de US$ 52,50 por barril.