Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

24/05/2018 - 08h50min. Alterada em 24/05 às 08h50min

Petróleo recua após avanço inesperado dos estoques da commodity nos EUA

Os preços do petróleo operam em queda nesta quinta-feira (24) após um aumento inesperado dos estoques da commodity nos EUA, mas as preocupações geopolíticas de possíveis restrições das ofertas globais ajudam a manter os preços perto das máximas em três anos e meio.
Os preços do petróleo operam em queda nesta quinta-feira (24) após um aumento inesperado dos estoques da commodity nos EUA, mas as preocupações geopolíticas de possíveis restrições das ofertas globais ajudam a manter os preços perto das máximas em três anos e meio.
Às 8h35min (de Brasília), o petróleo WTI para julho tinha baixa de 1,34%, a US$ 70,88 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para julho recuava 1,44%, a US$ 78,65 o barril, na ICE. O Departamento de Energia (DoE) dos EUA divulgou ontem que os estoques de petróleo subiram 5,8 milhões na semana passada, contrariando a previsão dos analistas de queda de 2,2 milhões.
Apesar disso, os preços se mantém próximos a patamares altos, já que os suprimentos dos principais produtores correm o risco de sofrer sanções. "O foco no momento é o Irã e Venezuela", disse Tom Pugh, economista de commodities da consultoria Capital Economics, acrescentando que ambos os países podem ter uma queda nas exportações na segunda metade do ano. A Venezuela já teve queda acentuada na produção como resultado de sua contínua crise econômica.
Já o Irã enfrenta o restabelecimento de sanções após os EUA saírem do acordo nuclear internacional. Enquanto isso, os analistas monitoram as manchetes do Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo que começa hoje, onde são esperados ministros de petróleo da Rússia e da Arábia Saudita para conhecer e discutir as ações dos EUA contra o Irã.