Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Inovação

Notícia da edição impressa de 21/05/2018. Alterada em 21/05 às 11h11min

Plataforma com mais de mil imóveis viabiliza troca de casas nas férias

Andrea usou suas experiências em viagens para criar o negócio

Andrea usou suas experiências em viagens para criar o negócio


/BELOCAL EXCHANGE/DIVULGAÇÃO/JC
Patricia Knebel
Um clube que facilita a vida de quem deseja viajar gastando menos. Foi com essa proposta que surgiu o BeLocal Exchange, plataforma criada no Rio de Janeiro que reúne pessoas de todo o mundo dispostas a trocar de casa nas férias.
Qualquer semelhança com o conceito mostrado no filme norte-americano O amor não tira férias, estrelado por Cameron Diaz e Kate Winslet em 2006, não é mera coincidência. Na verdade, esse tipo de negócio já é uma realidade nos Estados Unidos há décadas. A própria sócia-fundadora da plataforma, Andrea Aguiar, descobriu o sistema de troca de casas em 2006, e se apaixonou pela possibilidade de aproveitar a viagem como uma local, fugindo do roteiro tradicional dos pontos turísticos.
Nos últimos 12 anos, trocou de casas 15 vezes. Nestas andanças, percebeu uma dificuldade que a fez resolver apostar nesse negócio. "Apesar de serem altamente difundidas no exterior, as plataformas atuais não oferecem muitas opções latino-americanas. Então acabava sendo mais fácil para um brasileiro, por exemplo, conseguir uma casa em Paris do que em Salvador", exemplifica.
O projeto começou a ser desenvolvido há dois anos, e entrou em operação no ano passado. Ao acessar o site belocalexchange.com, as pessoas se cadastram para trocar de casa nas férias e passam a procurar as suas opções do seu interesse. Além da busca por algum destino específico, há outras categorias disponíveis, como família, pets, casas acessíveis, gourmet, longos períodos, praia e cidade, entre outras.
Ao se interessar por um imóvel, o usuário entra em contato por meio do sistema de mensagens interno. De acordo com a empresa, os dados pessoais só ficam disponíveis quando a troca é efetuada. A startup brasileira utiliza os serviços da empresa espanhola Traity, especializada em verificações de identidade na internet, e oferece um seguro especialmente criado para dar cobertura ao imóvel.
O site já conta com mais de 1 mil imóveis cadastrados na China, França, Suíça, Venezuela, Estados Unidos, Chile, Argentina, Peru, Portugal, Austrália. No Brasil, há casas no Rio de Janeiro, Fortaleza, Recife, Santa Catarina, Maceió, João Pessoa, Cuiabá, Natal, Belo Horizonte, São Paulo e Bahia.
Andrea comenta que a economia para quem usa a BeLocal Exchange é de, no mínimo, 40% em relação a uma viagem tradicional. "A grande ideia é que as pessoas possam viajar com um custo mais baixo e passem a ter a experiência da economia colaborativa", comenta Andrea.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia