Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 15/05/2018. Alterada em 14/05 às 22h51min

Para Petrobras, nível 2 é limite na governança

A ida da Petrobras para o nível 2 de governança corporativa da B3 é o máximo que a empresa poderá atingir, admitiram ontem os executivos da petroleira estatal em teleconferência com analistas. Isso porque, pela Lei do Petróleo que garante o controle da companhia à União, os acionistas preferencialistas não têm direito a voto, uma exigência do Novo Mercado, estágio máximo de transparência da bolsa de valores brasileira.
De acordo com o gerente executivo de Governança da Petrobras, Pedro Sutter, e a gerente executiva de Relacionamento com Investidores, Isabela Mesquita, apesar de não poder chegar ao maior grau de governança, a estatal chega ao nível 2 com práticas que superam as exigências da B3, fato que deve ser comemorado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia