Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 10/05/2018. Alterada em 09/05 às 21h20min

Ibovespa avança 1,58% com alta da Petrobras

A disparada das ações da Petrobras foi determinante para alavancar o Ibovespa. O índice, que tem 11% de sua composição representada pelos papéis da estatal petroleira, terminou a sessão com alta de 1,58%, aos 84.265 pontos. Os negócios somaram R$ 13,9 bilhões.
Petrobras ON e PN terminaram o dia com altas de 10,02% e 8,16%, respectivamente. As duas ações responderam por 27% do volume de negócios na bolsa.
A Gerdau reportou um lucro líquido de R$ 451 milhões no primeiro trimestre deste ano, revertendo prejuízo de R$ 34 milhões do mesmo período do ano passado. Com isso, Gerdau PN teve ganho de 6,31%, e Gerdau Metalúrgica PN avançou 6,43%. Outros papéis do setor siderúrgico também subiram, com destaque para CSN ON, que avançou 2,72%. Vale ON ganhou 2,15%.
A alta do dólar favoreceu ações de empresas exportadoras, como Suzano ON ( 7,18%) e Marfrig ON ( 6,66%).
.

Dólar sobe para R$ 3,5977

O câmbio, no Brasil, descolou do cenário externo. O dólar se enfraqueceu em relação à maior parte das moedas globais, mas continuou a mostrar alta volatilidade em relação ao real. No fechamento, a moeda subiu 0,82%, para R$ 3,5977, maior preço desde 31 de maio de 2016. O giro à vista foi três vezes maior do que o de terça-feira, somou US$ 1,2 bilhão.
O câmbio está no centro do debate depois que o mercado, a partir da puxada de alta do dólar nas últimas semanas - muito ligada ao cenário externo de perspectiva de alta dos juros nos EUA e das tensões geopolíticas -, passou a especular que o Banco Central poderia rever decisão já bastante sinalizada de reduzir novamente os juros na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) da próxima quarta-feira.
Em entrevista à Globonews, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, não mudou o discurso e repetiu que o BC olha o juro do ponto de vista de inflação e de atividade econômica.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia