Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Alterada em 14/05 às 17h10min

'Olho por olho, dente por dente' no comércio com China não nos ameaça, diz Ross

O secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, afirmou nesta segunda-feira (14) esperar que Washington e Pequim possam chegar a "um acordo (comercial) justo". "Mas, se isso não acontecer, um comércio (sob a lógica de) 'olho por olho, dente por dente' não seria economicamente uma ameaça de morte aos Estados Unidos", disse.
Em um discurso no Clube Nacional da Imprensa, em Washington, Ross explicou que, para reduzir o Produto Interno Bruto (PIB) americano em 1 ponto porcentual, a China teria de tarifar as exportações do país em US$ 180 bilhões.
"Isso é muito mais do que o total de US$ 130 bilhões em bens que exportamos para eles", pontuou o secretário. "Portanto, não há qualquer circunstância de mundo real na qual a China pudesse cortar nosso PIB nessa proporção. Nós simplesmente não exportamos o suficiente para eles (para que isso seja possível)", alegou.
Em sua fala, Ross apontou ainda que o "impacto inflacionário máximo" sob uma hipotética retaliação tarifária de US$ 180 bilhões vinda de Pequim seria de US$ 45 bilhões, "ou 0,25%" da economia americana.
Ele comentou ainda que, em vez de retaliar as tarifações anunciadas pelo governo do presidente Donald Trump até agora, a China poderia "facilmente" reduzir o déficit comercial americano ao comprar dos EUA "uma porcentagem maior de suas importações existentes de US$ 1,5 trilhão, em vez de (adquiri-las) de parceiros de livre comércio existentes".
Ao abordar a dependência chinesa de importações de produtos agrícolas, Ross calculou que o Brasil teria de elevar suas exportações de soja à China em 60% para substituir as vendas americanas desse grão ao país asiático. "Mas, se o Brasil pudesse embarcar (adicionalmente) tanto assim a preços competitivos, eles já estariam fazendo isso", acrescentou.
Em sua avaliação, retaliações de Pequim às tarifações americanas "impactariam negativamente" a própria economia chinesa.
Ele comentou em sua explanação que o Brasil não está retendo exportações de soja "só para ajudar os Estados Unidos". "O Brasil também tem problemas com o clima e as redes de transporte, o que limita a sua capacidade de exportar materialmente mais do que já exporta", pontuou o secretário.
Ross disse ainda que, "para suprir a demanda adicional chinesa" que poderia surgir se o país asiático retaliasse as tarifas dos EUA, o Brasil teria de redirecionar para a China parte da soja que hoje é vendida a outros países. "Se eles (o Brasil) fizessem isso, o mercado que eles abasteciam anteriormente estaria agora aberto a produtores dos EUA", completou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia