Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

Alterada em 14/05 às 16h14min

Exportações gaúchas crescem 6,4% em abril, aponta Fiergs

Indústria de transformação, que representou 62,7% da pauta, registrou alta de 12,5%

Indústria de transformação, que representou 62,7% da pauta, registrou alta de 12,5%


MARCOS NAGELSTEIN/JC
As exportações totais do Rio Grande do Sul registraram alta de 6,4% em abril, somando US$ 1,6 bilhão. Considerando apenas a indústria de transformação, que representou 62,7% da pauta, a variação foi ainda maior, de 12,5%, alcançando a marca de US$ 1 bilhão. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (14) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). 
Apesar do resultado favorável, abril contou com três dias úteis a mais em 2018 ante igual período do ano passado. Assim, deve-se utilizar o cálculo do valor médio exportado por dia útil, corrigindo as distorções causadas pelo efeito do calendário. Por essa métrica, os embarques do setor secundário gaúcho caíram 3,5%. Apesar do recuo, essa variação foi menos negativa do que aquela registrada em âmbito nacional, de 5%.
Em nota, o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry, ainda destacou a situação argentina e seu possível impacto na economia gaúcha. "A Argentina, principal destino dos produtos manufaturados produzidos pelo nosso estado, vive um período turbulento. A desvalorização da taxa de câmbio e a elevação considerável da taxa de juros devem impor uma desaceleração do comércio exterior nos próximos meses, atrasando ainda mais a recuperação da indústria gaúcha", afirma Petry.
A análise por segmentos industriais mostra que a base de comparação deprimida explica em parte o forte crescimento verificado em Tabaco (124,3%) e Alimentos (16,7%). Outras categorias da indústria gaúcha que exerceram contribuições positivas foram Celulose e papel (45,8%) e Veículos automotores, reboques e carrocerias (14,5%). Por outro lado, Químicos sofreu forte diminuição, com perdas equivalentes a 33,5%. Por sua vez, o grupo das commodities teve queda de 2,5% (totalizando US$ 586 milhões).
Ainda sobre abril, as importações totais subiram 5,1%, chegando a US$ 808 milhões. Na abertura dos produtos por categoria de uso, os segmentos de Bens intermediários (14,3%) e de Capital (36%) aumentaram, enquanto Bens de consumo (-11%) e Combustíveis e lubrificantes (-61,6%) recuaram.
O acumulado do primeiro quadrimestre de 2018 mostra que as exportações gaúchas foram de US$ 7,44 bilhões, o que representa alta de 54,2% em relação ao mesmo período de 2017. Desse somatório, a indústria foi responsável por US$ 5,92 bilhões, avanço de 63%. Os melhores resultados vieram de Outros equipamentos de transporte (25.750%), Tabaco (104,1%), Celulose e papel (92%), Máquinas e equipamentos (70,5%), Veículos automotores, reboques e carrocerias (25,4%) e Alimentos (7,1%). A categoria de Químicos (-7,4%) registrou a perda maior.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia