Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

07/05/2018 - 08h08min. Alterada em 07/05 às 08h08min

Bolsas da Ásia fecham majoritariamente em alta, com ganhos liderados pela China

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira (7), seguindo os mercados acionários de Nova Iorque, que encerraram a sexta-feira (4) com sólidos ganhos na esteira de dados de empregos que sustentaram o otimismo com o ritmo de crescimento dos EUA.
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira (7), seguindo os mercados acionários de Nova Iorque, que encerraram a sexta-feira (4) com sólidos ganhos na esteira de dados de empregos que sustentaram o otimismo com o ritmo de crescimento dos EUA.
O movimento na Ásia foi liderado pela China, apesar da falta de progresso na última rodada de conversas comerciais com os EUA. Exibindo seu melhor desempenho em duas semanas, o Xangai Composto subiu 1,48% hoje, a 3.136,64 pontos, enquanto o Shenzhen Composto, formado principalmente por startups com menor valor de capitalização, avançou 1,85%, a 1.822,18 pontos.
"Há expectativas de que a China revele medidas de apoio para empresas de manufatura", comentou Ivan Ip, analista do banco UOB-Kay Hian, de Cingapura.
Além disso, Pequim divulgou na última sexta regras preliminares para recibos depositários, abrindo caminho para que empresas de tecnologia chinesas listadas no exterior também sejam negociadas na China continental, lembrou Daxiao Li, economista-chefe da corretora Yingda Securities, em Shenzhen.
O comportamento das bolsas chinesas ajudou a impulsionar o Hang Seng, que subiu 0,23% em Hong Kong, a 29.994,26 pontos, apesar de uma queda de 3,2% da Lenovo. Maior fabricante mundial de computadores, a Lenovo vai sair do índice no próximo mês. Em Taiwan, o Taiex apresentou ganho de 0,72%, a 10.604,91 pontos, em parte ajudado pelo fabricante de lentes para smartphones Largan Precision, que atingiu o limite diário de valorização de 10%.
Empresas ligadas a commodities também contribuíram para o viés positivo na Ásia, à medida que o petróleo WTI, negociado em Nova Iorque, ultrapassou hoje a barreira dos US$ 70 por barril pela primeira vez desde o fim de 2014.
Exceção na região asiática, o japonês Nikkei teve baixa marginal de 0,03% em Tóquio, a 22.467,16 pontos, prejudicado por ações de fabricantes de chips e de seguradoras de vida, depois de não operar na quinta e sexta-feira devido a feriados. Já na Coreia do Sul, não houve negócios hoje em função de um feriado nacional.
Na Oceania, a bolsa australiana foi favorecida por petrolíferas e mineradoras, e o índice S&P/ASX 200 avançou 0,36% em Sydney, a 6.084,50 pontos.