Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Agronegócios

04/05/2018 - 15h36min. Alterada em 04/05 às 17h00min

Exportação de carne para os EUA pode ser retomada até junho, diz Maggi

Ministro da Agricultura (de branco) visitou a Agrishow, em Ribeirão Preto, nesta sexta-feira

Ministro da Agricultura (de branco) visitou a Agrishow, em Ribeirão Preto, nesta sexta-feira


MAPA/DIVULGAÇÃO/JC
O Ministério da Agricultura espera que até o final do semestre o Brasil volte a exportar carne "in natura" para os Estados Unidos. A afirmação foi feita pelo ministro da pasta, Blairo Maggi, em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), onde visita a Agrishow (Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação) nesta sexta-feira (4).
O Ministério da Agricultura espera que até o final do semestre o Brasil volte a exportar carne "in natura" para os Estados Unidos. A afirmação foi feita pelo ministro da pasta, Blairo Maggi, em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), onde visita a Agrishow (Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação) nesta sexta-feira (4).
Se o prazo se confirmar, as exportações serão retomadas mais de um ano após a suspensão. Os EUA anunciaram em 22 de junho do ano passado a suspensão de toda a importação de carne bovina "in natura" do Brasil devido a preocupações sobre a qualidade do produto.
A decisão dos EUA foi uma reação ao aumento dos problemas sanitários com o produto brasileiro. Segundo o Departamento de Agricultura americano, 11% de toda a carne bovina "in natura" exportada pelo Brasil desde março de 2017 foi barrada por "preocupações com a saúde pública, condições sanitárias e problemas com a saúde dos animais".
O índice, ainda conforme o governo dos EUA, era muito maior do que a média global, de 1%. "A bola está hoje com os EUA. Temos uma missão viajando para lá e todos os documentos, todos os questionários, todos os pedidos, foram respondidos", disse Maggi.
Ele disse esperar que todos os problemas sejam resolvidos e que até o final do semestre o Brasil volte a exportar para os EUA. "É nosso desejo e estamos trabalhando para isso", afirmou o ministro.