Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 04/05/2018. Alterada em 04/05 às 15h49min

Dia das Mães movimenta vendas no Rio Grande do Sul em maio

A celebração do Dia das Mães, em 13 de maio, traz uma perspectiva otimista para o varejo gaúcho. Segundo levantamento realizado pelo Departamento de Economia da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS), o crescimento médio das vendas em maio de 2018 deve ser cerca de 9% superior ao mesmo mês de 2017. Na comparação com abril deste ano, o incremento deve ser na casa dos 5%.
A celebração do Dia das Mães, em 13 de maio, traz uma perspectiva otimista para o varejo gaúcho. Segundo levantamento realizado pelo Departamento de Economia da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS), o crescimento médio das vendas em maio de 2018 deve ser cerca de 9% superior ao mesmo mês de 2017. Na comparação com abril deste ano, o incremento deve ser na casa dos 5%.
O presidente da FCDL-RS, Vitor Augusto Koch, lembra que o Dia das Mães é um impulsionador das vendas em maio, que se caracteriza como o melhor mês do primeiro semestre.
"Com a retomada da economia e a melhora das condições para que os filhos possam presentear suas mães nesse ano, a FCDL-RS trabalha com uma previsão de que artigos de vestuário e calçados tenham suas vendas incrementadas em 22% diante de abril; móveis e eletrodomésticos tendem a crescer 16%; artigos pessoais e utilidades domésticas, 16%; artigos farmacêuticos, que inclui perfumaria, 6%; e produtos de informática, 5%", destaca Koch.
O tíquete médio esperado na aquisição de presentes tende a ficar na faixa de R$ 120,00 para compras feitas pelos adultos e R$ 38,00 para as crianças que irão presentear suas mães.
Os maridos e filhos adultos tendem a concentrar suas compras em artigos de vestuário, calçados e produtos de uso doméstico, enquanto as crianças normalmente optam por produtos de perfumaria e cosméticos para as mamães.
No que se refere aos meios de pagamento, a FCDL-RS recomenda que os lojistas trabalhem com promoções que viabilizem uma quantidade maior de pagamentos à vista pelo consumidor. Outra alternativa é alavancar o crediário próprio das lojas, fugindo dos juros abusivos dos cartões de crédito e cheque especial. Também é fundamental que os lojistas consultem o SPC na hora de conceder o crédito para o consumidor.
"É importante lembrar que vitrines tematizadas e promoções especiais são atrativos que podem influenciar de forma decisiva na compra. O consumidor médio está mais conservador do que em anos anteriores, fazendo com que a escolha do presente se concentre mais no preço do que na marca", ressalta o presidente da FCDL-RS.

Roupas, perfumaria e calçados lideram ranking de compras

A pesquisa de expectativas de consumo para o Dia das Mães, encomendada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (CDL POA), mostra que a maioria das figuras maternas presenteadas deve ganhar roupas: 49,7% dos entrevistados indicaram este item para o presente principal.
Em segundo lugar, ficaram os produtos de perfumaria (18,4%), calçados (15,8%) e eletrônicos/eletrodomésticos (2,5%). joias (6,7%), livros (2,7%) e bijuterias (2,7%).
Na Capital, as vendas para a data devem chegar a R$ 183 milhões, 4% superiores ao ano passado. O tíquete médio do presente principal deverá ser de R$ 192,00, resultado 11,4% maior do que o gasto em 2017.
Pela primeira vez, a pesquisa da CDL POA mostra uma preferência pelo uso do cartão - crédito parcelado (32,7%) e crédito em uma vez (23,7%) - frente ao pagamento à vista e em dinheiro (22,3%), que sofreu uma redução de 35,8% em relação a 2017.
A Vitamina Pesquisa entrevistou, de 22 de março a 3 de abril, 300 homens e mulheres, moradores da Capital. A amostra inclui pessoas das classes A, B, C e D, a maioria (41,3%) com idades entre 35 e 49 anos e Ensino Superior Completo (36,3%).
JC