Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

03/05/2018 - 12h02min. Alterada em 03/05 às 15h34min

Xiaomi, a 'Apple da China', deverá fazer a maior oferta inicial de ações do mundo desde 2014

Expectativa é que a companhia levante até US$ 10 bilhões no lançamento

Expectativa é que a companhia levante até US$ 10 bilhões no lançamento


FRED DUFOUR/AFP/JC
Folhapress
A gigante chinesa de celulares Xiaomi, conhecida como "Apple da China", anunciou sua abertura de capital em Hong Kong nesta quarta-feira (2). A operação, prevista para o início de julho, deverá ser o maior IPO (oferta pública inicial de ações) do mundo, desde 2014, quando o grupo chinês Alibaba levantou US$ 21,8 bilhões em sua oferta inicial.
A gigante chinesa de celulares Xiaomi, conhecida como "Apple da China", anunciou sua abertura de capital em Hong Kong nesta quarta-feira (2). A operação, prevista para o início de julho, deverá ser o maior IPO (oferta pública inicial de ações) do mundo, desde 2014, quando o grupo chinês Alibaba levantou US$ 21,8 bilhões em sua oferta inicial.
A expectativa é que a companhia levante até US$ 10 bilhões no lançamento, e que sua avaliação chegue a US$ 100 bilhões. Junto ao anúncio, a empresa deu a investidores, pela primeira vez, informações detalhadas de sua situação financeira.
A companhia afirmou que sua receita foi de 114,62 bilhões de yuan em 2017 - o equivalente a US$ 18 bilhões ou R$ 63,89 bilhões-, um aumento de 67,5% em relação ao ano anterior. Também revelou um prejuízo líquido de 43,89 bilhões de yuan (cerca de R$ 24,46 bilhões) no ano passado,contra um lucro de 491,6 milhões de yuan (R$ 273,92 milhões) em 2016.
Além de smartphones, a Xiaomi fabrica dezenas de dispositivos que se conectam virtualmente a itens domésticos, como purificadores de ar, panelas de arroz e até patinetes. A maioria de suas receitas, porém, vêm de serviços virtuais.
No setor de smartphones, sua posição como fabricante de celulares relativamente baratos colocou um desafio crescente a líderes do mercado, como a Samsung e a Apple.
O IPO da Xiaomi será o primeiro em Hong Kong sob as novas regras da bolsa, que começaram a valer na segunda-feira (30), como um esforço para atrair mais empresas de tecnologia.
A empresa chegou ao mercado brasileiro em meados de 2015. Até o início do ano passado, sua área de expansão global era liderada pelo brasileiro Hugo Barra. O executivo, que se tornou sinônimo dos esforços de expansão internacional da Xiaomi, morava em Pequim, mas com frequência viajava para outros mercados importantes, incluindo a Índia e o Brasil.
Barra chegou à empresa chinesa em 2013, após deixar a área de Android do Google, e, em 2017, foi trabalhar no Facebook.