Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Conjuntura

03/05/2018 - 11h40min. Alterada em 03/05 às 11h41min

Confiança do comércio cresce 1,3% em março, diz CNC

Na comparação com abril de 2017, o indicador teve um aumento de 11,9%

Na comparação com abril de 2017, o indicador teve um aumento de 11,9%


LUIZA PRADO/JC
Agência Brasil
O Índice de Confiança do Empresário do Comércio registrou alta de 1,3% de março para abril, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (3) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na comparação com abril de 2017, o indicador teve um aumento de 11,9%.
O Índice de Confiança do Empresário do Comércio registrou alta de 1,3% de março para abril, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (3) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na comparação com abril de 2017, o indicador teve um aumento de 11,9%.
Na comparação de abril com o mês anterior, o avanço foi puxado principalmente pelas avaliações do empresário em relação ao momento presente, com alta de 2%. A confiança no momento presente do segmento comercial cresceu 2,4%.
Em relação às expectativas futuras, houve um aumento de 1,2%, motivado principalmente pela maior confiança no momento futuro da economia (com alta de 1,7%). Já as intenções de investimentos cresceram 1,1%, uma alta puxada pelo aumento de 1,6% na intenção de contratações de funcionários. Na comparação com abril do ano passado, os aumentos foram de 30,1% em relação às condições atuais, de 4,3% em relação às expectativas e de 10,3% em relação às intenções de investimentos.