Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

02/05/2018 - 09h46min. Alterada em 02/05 às 09h46min

Dólar sobe com ajustes e forte dado de emprego privado nos EUA antes do Fed

O dólar opera em alta frente o real na volta do feriado local, depois do avanço nesta terça-feira, dia 1º, da moeda americana e dos juros dos Treasuries no exterior, enquanto os investidores aguardam a decisão de política monetária do Federal Reserve (às 15h desta quarta-feira, dia 2).
O dólar opera em alta frente o real na volta do feriado local, depois do avanço nesta terça-feira, dia 1º, da moeda americana e dos juros dos Treasuries no exterior, enquanto os investidores aguardam a decisão de política monetária do Federal Reserve (às 15h desta quarta-feira, dia 2).
A moeda americana no mercado à vista segue acima dos R$ 3,50 e está sob o monitoramento do Banco Central. Na semana passada, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, alertou que a instituição combaterá o câmbio perverso. E na terça, o Instituto Internacional de Finanças (IIF) disse que intervenções oficiais dos bancos centrais nos mercados de câmbio podem ser fontes de estabilidade durante períodos de moedas muito voláteis.
Mais cedo, a consultoria ADP informou que o setor privado dos Estados Unidos criou 204 mil vagas de emprego em abril, acima da previsão de +190 mil. O dado reforça expectativas de um ciclo mais forte de alta de juros pelo Fed, além de sustentar as expectativas pelo relatório do mercado de trabalho (payroll) que será divulgado na sexta-feira (4).
Para o desfecho do Fed na tarde desta quarta, não há expectativa de que o BC americano eleve juros agora, mas apenas no encontro de meados de junho, que será seguido por uma coletiva de imprensa com o presidente da instituição, Jerome Powell. Contudo, a inflação medida pelos gastos com consumo (PCE) também chegou a 2% ao ano em março e o índice dos gerentes de compras (PMI) da indústria americana subiu para 56,5 em abril, o maior resultado desde dezembro de 2014.
Com isso e os dados da ADP, o comunicado do encontro do Fed nesta quarta pode mencionar que a inflação no país está subindo em direção à meta de 2% ao ano, abrindo espaço para um ciclo mais forte de elevação dos juros dos FED Funds neste ano.
Às 9h28min, o dólar à vista desacelerava a alta para R$ 3,5242 (+0,57%). No mercado futuro, o contrato de dólar com vencimento em junho de 2018 indicava ganho de 0,48% neste mesmo horário, aos R$ 3,5350.