Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 20 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Jaime Cimenti

Livros

Notícia da edição impressa de 18/05/2018. Alterada em 17/05 às 18h48min

Alcides Cruz, deputado imortal

Alcides de Freitas Cruz, o Dr. Alcides Cruz, deputado, jornalista, professor, escritor, advogado e promotor público em Porto Alegre, entre outras atividades, nasceu na Capital em 1867, 21 anos antes da abolição da escravatura no Brasil. Alcides, homem negro, apesar das dificuldades da época, que ainda hoje são enfrentadas pela população negra, em seus breves 49 anos de vida, soube estudar, trabalhar e agir em muitas funções privadas e públicas, tornando-se um dos maiores parlamentares que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul já teve.
Em boa hora e fazendo justiça, a Assembleia Legislativa, contando com a valiosa organização do Instituto do Patrimônio Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul (Ihgrs) e do Memorial do Legislativo lançou, há poucos dias, o volume número 14 da Série Perfis Parlamentares Gaúchos. Getúlio Vargas, João Neves da Fontoura, José Antônio Flores da Cunha, Oswaldo Aranha, A.J. Renner, João Goulart, Carlos Santos, Leonel Brizola, Bento Gonçalves da Silva, Joaquim Francisco de Assis Brasil, Suely de Oliveira, Fernando Ferrari e Gaspar Silveira Martins são os demais 13 homenageados na Série Perfis. Alcides Cruz, como se constata, está em ótima companhia.
A obra comemora os 150 anos de nascimento de Cruz, deputado em cinco legislaturas, além de ter sido chefe de gabinete de Júlio de Castilhos, então presidente do Estado. Cruz foi vice-presidente do parlamento na primeira década do século XX. Com grande conhecimento jurídico, foi professor de Direito na Ufrgs, faculdade que ajudou a fundar e, com grande força de trabalho, inteligência e vigor, soube enfrentar o cenário contrário aos negros e conquistar o merecido respeito.
A edição presta um grande serviço ao Rio Grande do Sul, pois apesar de vida e obra notáveis, Alcides Cruz, nome de rua em Porto Alegre, era um ilustre desconhecido em nosso Estado. Fizeram muito bem a Assembleia e o Ihgrs em tirá-lo do esquecimento e, como acontece com o lançamento das boas biografias, ele foi tirado do túmulo e colocado a circular entre nós. O volume igualmente presta tributo ao povo negro, um grupo étnico tão capaz e tão importante como os demais grupos que compõe o nosso Estado que, como sabemos e apreciamos, é um riquíssimo e democrático mosaico cultural e étnico.

lançamentos

Estela sem Deus (Zouk Editora, 208 páginas), do romancista e contista carioca radicado em Porto Alegre Jeferson Tenório, é um romance que se passa na era Collor. Aos 13 anos, a delicada e forte Estela tenta livrar-se de mágoas e tece sua "maturidade improvisada". Melancolia, Deus, sofrimento e outras questões são enfrentadas por Estela, adolescente de um País eternamente embrionário.
Da autodescoberta à alta performance - 10 comportamentos preciosos para você despertar sua inteligência emocional (Editora Leader, 152 páginas), organizado por Thereza Ferreira, com coordenação editorial de Andréia Roma e prefácio de Shirley Carvalhêdo Franco, é o primeiro volume da série Phases. Apresenta dicas para o leitor desenvolver sua inteligência emocional e potencializar suas habilidades.
1942 - O Brasil e sua guerra quase desconhecida (Harper Collins, 320 páginas), do músico, escritor e diretor de documentários João Barone, baterista dos Paralamas do Sucesso, é a segunda edição da obra que explica a importância e o sacrifício dos soldados brasileiros na Segunda Guerra Mundial. Narrativa histórica bem escrita e embasada, a obra mostra muita aventura, ação e reflexão.

II Congresso Estadual de Cultura

Nos dias 9, 10 e 11 de maio realizou-se, em Bento Gonçalves, na Casa das Artes e no Grande Hotel Dall'Onder, o II Congresso Estadual de Cultura do Rio Grande do Sul e o IV Fórum Estadual de Conselhos Municipais de Cultura. O primeiro congresso realizou-se há 31 anos. O evento fez parte dos festejos dos 50 anos do Conselho Estadual de Cultura, que teve a iniciativa da promoção. A Fundação Casa das Artes, a Secretaria Estadual da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer (Sedactel), a Corsan, a Secretaria Municipal de Cultura de Bento Gonçalves, a Fundação Pablo Komlós e o Grande Hotel DallOnder foram imprescindíveis parceiros do evento.
Na abertura, foi atração a Orquestra Sinfônica do Instituto Tarcísio Michelon. Estavam presentes Victor Hugo, titular da Sedactel; o prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin; Evandro Soares, secretário municipal de Cultura de Bento Gonçalves; Andre Kryszczun, secretário-adjunto da Sedcatel; Leoveral Soares, diretor de cultura da Sedactel; vereador Moisés Scussel Neto, presidente da Câmara de Vereadores de Bento Gonçalves; entre outras autoridades, que foram recepcionadas por Marco Aurélio Alves, Presidente do Conselho Estadual de Cultura. Após a abertura, o professor Carlos Jorge Appel, ex-secretário de Cultura do RS, proferiu palestra que trouxe muita emoção e informação e foi merecidamente ovacionado.
Aconteceram muitos painéis, com palestrantes do porte do uruguaio Alejandro Denes, coordenador de artes visuais do Uruguai, José Carlos Laitano, presidente da Academia Rio-Grandense de Letras; Rafael Balle, diretor de Economia da Sedactel; Paula Mascarenhas, prefeita de Pelotas; e Zuenir Ventura, um dos maiores jornalistas brasileiros e autor do livro 1968 - O ano que não acabou.
Foram abordadas questões relevantes, especialmente ligadas à democratização no acesso aos processos e bens culturais. Cultura e Comportamento; cultura como alavanca do desenvolvimento social e coletivo; financiamento; desafios na gestão cultural; participação social nas instâncias culturais; e criação, memória e patrimônio material e imaterial foram, entre outros, os temas abordados no evento, com muita inteligência, paixão e participações das plateias.
Foram realizadas várias oficinas no centro de convenções do Dall'Onder, envolvendo questões essenciais como o papel do conselheiro municipal, o financiamento, gestão pública, elaboração de projetos culturais, proteção do patrimônio, processos de memória social e workshop de artes visuais.
Entre os painéis, ocorreram manifestações artísticas musicais e teatrais no palco do Anfiteatro Ivo Da Rold e na praça Ismar Scussel, que fica em frente à Fundação Casa das Artes. Os funcionários da Secretaria Municipal de Cultura de Bento Gonçalves, especialmente Ivete Todeschini Menegotto, foram competentes, incansáveis, simpáticos e contribuíram para o sucesso do Congresso.

a propósito...

A realização do II Congresso Estadual de Cultura e IV Fórum Estadual de Conselhos Municipais de Cultura, capitaneada por Marco Aurélio Alves, presidente do Conselho Estadual de Cultura do Rio Grande do Sul, ressaltou a importância da cultura em nosso Estado. Através de um congresso, há debate e discussão sobre temas importantes na área da cultura, proporcionando o estabelecimento de metas conectadas com nossos dias. Debater, ouvir a sociedade, propor políticas públicas e democratizar as ideias e as ações culturais foram os objetivos deste II Congresso, que deixou um gosto de quero mais e o forte desejo de realização de muitos outros. (Jaime Cimenti)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
jaime cimenti 20/05/2018 21h10min
Muito obrigado, Ivette, que é a maior responsável pela continuidade da Casa das Artes e Secretaria de Cultura de Bento Gonçalves. n
Ivete Todeschini Menegotto 19/05/2018 15h50min
Honramos e agradecemos a presença do ilustre filho desta terra, Jaime Cimenti. Aprendemos muito com sua literatura e observação social na cultura! Eu, Ivete Todeschini Menegotto, poeta, citada no artigo acima, sou conselheira do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Bento Gonçalves, representando a sociedade civil nas Artes Visuais, também presidente da referida Associação. Somos gratos pelo nobre evento! Oxalá, eventos deste porte possam sobrevoar este Rio Grande!