Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 20 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 21/05/2018. Alterada em 18/05 às 18h06min

Alternativas de pagamento para um bom negócio

Rodrigo Thedim
No último ano, grandes transformações econômicas modificaram o mercado e afetaram as decisões que cada empreendedor deve tomar para seguir competitivo. Esse cenário afeta diretamente a disponibilidade creditícia no mercado, principalmente para as Micro e Pequenas Empresas (MPEs), que contam com menos ativos e garantias para assegurar melhores taxas que possibilitam acesso aos recursos financeiros - tanto para o pagamento de seus provedores como para oferecer facilidades aos clientes.
Entre as mudanças que afetam diretamente as vendas e o comércio, destaca-se a Selic em níveis mínimos históricos. Apesar disso, a taxa de juros para o rotativo dos cartões de crédito subiu de 239,1% para 243,5% entre fevereiro e março deste ano; variação que aumenta o custo para o consumidor final e influencia a aquisição de novos produtos e investimento em novos serviços.
Os empréstimos, conhecidos pela tradicionalidade, são uma alternativa para obter fundos, mas acabam gerando obrigações mensais que podem prejudicar não só o fluxo de caixa, como também a liquidez. Essa insolvência gera restrições à empresa se não fizer parte de um planejamento financeiro eficiente, pois é sabido que a inadimplência tem custos muito altos para qualquer empreendimento.
No Brasil, a procura das empresas por crédito cresceu 4,1% no último ano, segundo dados do Serasa divulgados em março. A alta foi liderada pelas MPEs, mais vulneráveis às variações de um país. Para atender às expectativas tanto do cliente quanto da empresa, a possibilidade de pagamento por parcelamento via boletos representa uma alternativa interessante. Com taxas de juros mais baixas que as dos cartões de crédito e sem envolvimento com instituições bancárias na contratação, essa modalidade oferece custo reduzido para todos.
Oferecer esse produto, no entanto, exige know how, tecnologia e capital para não frustrar o cliente, que pode se surpreender ao se deparar com uma análise de crédito muito restritiva, impedindo vendas ou não recebendo o pagamento.
Adiantar pagamento de recebíveis, por exemplo, é um caminho para enfrentar alguns desses desafios. A medida ajuda o empreendedor a gerenciar seus ingressos e operar de forma eficiente junto a fornecedores e clientes. Nesse setor, longe da burocracia dos bancos - e onde operam as fintechs -, é muito importante contar com a experiência de mercado, o respaldo de uma companhia reconhecida e uma extensa base de dados para propor alternativas inovadoras e criativas, que atendam às necessidades daquelas empresas que ainda não provêm de tamanho ou o fluxo de caixa para oferecer parcelamento próprio. É um novo caminho de possibilidades excelente que se abre para o micro, pequeno e médio empreendedor brasileiro.
Gerente de desenvolvimento de produtos e vendas da TrustHub
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia