Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

24/04/2018 - 08h05min. Alterada em 24/04 às 08h39min

Polícia Federal faz buscas no gabinete do deputado Eduardo da Fonte

Deputado é investigado por suposta prática de associação criminosa

Deputado é investigado por suposta prática de associação criminosa


REINALDO FERRIGNO/AG/JC
A Polícia Federal (PF) cumpre mandados na Câmara dos Deputados, em Brasília, nesta terça-feira (24). Os mandados foram autorizados pelo ministro Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato e a operação foi deflagrada em conjunto com a Procuradoria Geral da República (PGR). O alvo principal é o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE). Agentes da PF chegaram nas primeiras horas da manhã no gabinete e no apartamento do parlamentar.
Eduardo da Fonte é investigado por suposta prática de associação criminosa (artigo 2.º da Lei 12.850/2013), juntamente com outros parlamentares do PP: Aguinaldo Ribeiro, Arthur Lira, Benedito de Lira, Ciro Nogueira, José Otávio Germano, Luiz Fernando Faria e Nelson Meurer.
>> Leia mais: Operação da PF também mira no senador Ciro Nogueira, presidente do PP
De acordo com denúncia do Ministério Público Federal feita em setembro de 2017, os parlamentares seriam integrantes do núcleo político de uma organização criminosa voltada ao cometimento de delitos contra a Câmara dos Deputados, entre outros, visando "a arrecadação de propina por meio da utilização de diversos órgãos públicos da administração pública direta e indireta".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia