Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Forças Armadas

04/04/2018 - 18h41min. Alterada em 04/04 às 19h23min

Maia critica fala de general Villas Bôas e diz que ela gerou 'muita especulação'

'Acho que isso não é bom, principalmente diante do momento que o Brasil vive', afirmou Maia

'Acho que isso não é bom, principalmente diante do momento que o Brasil vive', afirmou Maia


TÂNIA RÊGO /ABR/JC
Pré-candidato ao Palácio do Planalto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou as declarações do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas. Para ele, as mensagens publicadas no Twitter nesta terça-feira (3) geraram "muita especulação" e deveriam ser evitadas.
"O ideal é que os comandantes, respeitado a hierarquia, tivessem um cuidado maior. Acho que da forma como foi feito, gerou especulação, o que no momento em que o Brasil vive, ou em nenhum momento, mas principalmente neste momento, não é a melhor forma", disse Maia.
Maia também afirmou que o ideal é que, se o Exército quisesse se manifestar sobre a possibilidade de prisão em segunda instância, deveria ter feito de maneira institucional, e não via redes sociais.
"Acho que solto, no meio das redes sociais, é que gera interpretações diversas, acho que isso não é bom, principalmente diante do momento que o Brasil vive", afirmou.
Nesta terça-feira, na véspera do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Supremo Tribunal Federal (STF), o general Villas Bôas afirmou que o Exército não iria aceitar "impunidade" e iria se manter "atento às suas missões institucionais".
A declaração gerou uma série de manifestações, contra e a favor, sobre a postura do general.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia