Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Alterada em 02/04 às 21h43min

Esquerda está unida para derrotar direita em outubro, diz Haddad

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse, em ato de apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Rio, na noite dessa segunda-feira (2), que a esquerda está unida na esperança de que a direita tenha a maior derrota da história nas eleições de outubro.
"O esforço que nós fizemos de dar mais oportunidade para mais pessoas não vai fazer diferença? A educação tem que continuar a progredir, mas quem está precisando de lição é a elite desse país que é conservadora, autoritária e, parte dela, é fascista mesmo", disse Haddad, um dos nomes que pode substituir Lula caso o ex-presidente seja impedido de disputar a eleição.
No ato, que tem a participação de lideranças de PT, PSOL, PCdoB, PDT, entre outros partidos de esquerda, e conta com a presença de outros pré-candidatos à presidência, como Manuela d'Ávila, a deputada federal Jandira Feghali defendeu a participação do ex-presidente Lula no processo eleitoral. "Prender Lula é crime político. É tentar matá-lo em vida", disse.
O senador Lindberg Faria (PT-RJ) disse que a esquerda precisará ter coragem para tocar em temas delicados, como a desmilitarização da Polícia Militar. "Desmilitarizar a Polícia Militar é defender a democracia", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia