Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 22 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Alterada em 22/04 às 20h05min

Trump dirá Kim Jong Un que desarmamento nuclear deve preceder queda das sanções

O presidente do Estados Unidos, Donald Trump, irá dizer ao líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, que apenas o congelamento do cronograma de testes balísticos e nucleares não é suficiente para garantir reduções expressivas das sanções econômicas que se impõem sobre o país e que apenas o desarmamento nuclear pode fazê-lo.
O ritmo com que Pyongyang levaria a cabo esse desarmamento e subsequente queda das sanções serão os principais temas da reunião de cúpula entre os dois países, segundo autoridades do governo norte-americano.
"Quando o presidente diz que não irá cometer os mesmos erros do passado, isso significa que os EUA não se comprometerão com nenhuma concessão substantiva, tal qual a retirada das sanções, até que a Coreia do Norte tenha desmantelado boa parte de seu programa nuclear", afirmou um dirigente neste domingo.
"Caso a Coreia do Norte se comprometa com um rápido avanço do desarmamento nuclear, então o céu é o limite. Tudo pode acontecer", acrescentou.
No sábado, Kim anunciou que seu país iria fechar um campo de testes nucleares e suspender os testes com mísseis de longo alcance. O anúncio foi tomado como um movimento importante às vésperas da cúpula de líderes, que deve acontecer em maio ou junho.
Tamanho do texto? A  
O presidente do Estados Unidos, Donald Trump, irá dizer ao líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, que apenas o congelamento do cronograma de testes balísticos e nucleares não é suficiente para garantir reduções expressivas das sanções econômicas que se impõem sobre o país e que apenas o desarmamento nuclear pode fazê-lo.

O ritmo com que Pyongyang levaria a cabo esse desarmamento e subsequente queda das sanções serão os principais temas da reunião de cúpula entre os dois países, segundo autoridades do governo norte-americano.

"Quando o presidente diz que não irá cometer os mesmos erros do passado, isso significa que os EUA não se comprometerão com nenhuma concessão substantiva, tal qual a retirada das sanções, até que a Coreia do Norte tenha desmantelado boa parte de seu programa nuclear", afirmou um dirigente neste domingo.

"Caso a Coreia do Norte se comprometa com um rápido avanço do desarmamento nuclear, então o céu é o limite. Tudo pode acontecer", acrescentou.

No sábado, Kim anunciou que seu país iria fechar um campo de testes nucleares e suspender os testes com mísseis de longo alcance. O anúncio foi tomado como um movimento importante às vésperas da cúpula de líderes, que deve acontecer em maio ou junho. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia