Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

25/04/2018 - 08h47min. Alterada em 25/04 às 08h47min

Polícia Federal faz operação em São Paulo contra desvio de R$ 300 milhões em créditos tributários

Agência Brasil
Uma operação da Polícia Federal (PF), nesta quarta-feira (25) em São Paulo, combate o desvio e comércio de créditos tributários da União. Segundo o órgão, os desvios podem ter somado mais de R$ 300 milhões. Esta é a segunda fase da operação, que recebeu o nome de Manigância e que foi deflagrada no dia 22 de março.
Estão sendo cumpridos cinco mandados de prisão preventiva, um de prisão temporária e cinco mandados de busca e apreensão, expedidos pela 5ª Vara Federal Criminal de São Paulo. As buscas e prisões ocorrem nas cidades de São Paulo e Bragança Paulista. Até o momento, segundo a PF, foram presos um falso fiscal na cidade de Bragança Paulista e sua esposa, uma analista tributária da Receita Federal, além de empresários responsáveis por vender os créditos tributários que eram desviados pela analista.
A investigação teve início em dezembro de 2016, após a Receita Federal ter comunicado à PF possíveis crimes cometidos por uma servidora do órgão. A investigação procurava apurar a prática de corrupção passiva e inserção falsa de dados em sistema de informação oficial por parte de uma analista tributária da Receita, que modificava a titularidade de créditos legítimos em benefício de outras empresas.
De acordo com a Polícia Federal, no esquema os créditos lícitos de grandes contribuintes eram selecionados e desviados em favor de empresas intermediárias que eram geridas pelos criminosos. Com a captação de possíveis interessados, os créditos eram então vendidos e transferidos aos beneficiários finais por meio de pedido eletrônico de compensação e restituição. Os presos vão responder pelos crimes de associação criminosa, corrupção passiva, inserção de dados falsos em sistemas de informações e estelionato.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia