Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 22 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

campeonato brasileiro

Alterada em 22/04 às 18h16min

Sem entusiasmar, São Paulo fica no empate sem gols com o Ceará em Fortaleza

O mês de maio está próximo e o time do São Paulo ainda não consegue entusiasmar nem o seu mais fanático torcedor em 2018. Neste domingo, na Arena Castelão, em Fortaleza, o time tricolor colecionou mais uma apresentação apática no empate sem gols com o Ceará, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.
O primeiro tempo foi quase todo desperdiçado. Não fosse o chute do estreante meia-atacante Everton, aos 38 minutos, após boa jogada do meia peruano Cueva, quase nada foi feito de bom pelos são-paulinos.
Apesar de jogar em casa, o Ceará parecia sem confiança para tentar as jogadas e surpreso pelo fato de o adversário não ter entrado em campo com três zagueiros. Pio, Wescley, Felipe Azevedo e Juninho buscaram trocar passes, mas sem sucesso.
O São Paulo não tinha criatividade quando entrava na intermediária cearense. O que fez o técnico uruguaio Diego Aguirre fazer duas alterações logo no intervalo. O volante Liziero e o atacante colombiano Trellez acabaram substituídos após 45 minutos.
E o São Paulo conseguiu ainda ser pior na etapa final. Nenê entrou muito mal e quase nada acertou. Apenas um chute de longa distância, aos 38 minutos. O meio de campo tricolor deu espaço e Juninho passou a armar jogadas para o Ceará, que teve duas boas chances de gol com Felipe Azevedo. Uma delas bem defendidas por Sidão, aos 41, no único contra-ataque concretizado com sucesso pela equipe da casa.
Como é mais fácil destruir do que construir, Diego Aguirre consegue apresentar uma defesa relativamente consistente em seu pouco tempo de trabalho, mas no ataque, setor no qual é preciso talento e qualidade técnica, o time tricolor deixa muito a desejar, apesar das várias contratações e das dezenas de milhões de reais gastos pela diretoria.
Após eliminação precoce na Copa do Brasil - na quarta fase, para o Atlético Paranaense -, fica difícil prever algo satisfatório para o São Paulo na disputa do Brasileirão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia