Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Copa do Brasil

Notícia da edição impressa de 12/04/2018. Alterada em 11/04 às 23h14min

Vitória com a ajuda de Caíque

Patrick abriu o placar no triunfo colorado por 2 a 1 no Beira-Rio

Patrick abriu o placar no triunfo colorado por 2 a 1 no Beira-Rio


/Ricardo Duarte/Inter/Divulgação/JC
Deivison Ávila
Depois de ficar 21 dias sem disputar uma partida oficial, o Inter voltou a campo na noite de ontem para enfrentar o Vitória, pelo jogo de ida da quarta fase da Copa do Brasil. Após sair na frente, Colorado cedeu o empate, mas, no finzinho, o goleiro Caíque engoliu um frango e os donos da casa venceram por 2 a 1. Na próxima quinta-feira, em Salvador, os gaúchos decidem se avançam às oitavas da competição. O torneio não tem mais o gol qualificado.
O técnico Odair Hellmann acertou na escolha por Rossi no ataque. Rápido e com boa movimentação, o jogador incomodava a defesa baiana. E foi dos pés dele a assistência para o primeiro gol. Aos 17 minutos, Iago acionou Rossi pela esquerda. Ele cortou a marcação e rolou para Patrick, que surgiu em meio à defesa e chutou para o fundo das redes.
O Colorado quase ampliou aos 35, quando Roger recebeu na direita da área e soltou uma bomba, mas Caíque defendeu com os pés. No lance seguinte, D'Alessandro acionou Roger na pequena área, mas o atacante rolou para o meio, onde não tinha ninguém.
Mesmo com o aparente controle colorado do duelo, o Vitória, que já havia assustado com Denílson, chegou ao gol de empate depois de uma falha de Rodrigo Dourado. Aos 42, o volante saiu jogando errado, Rhayner roubou a bola e soltou a bomba. Lomba espalmou para o meio e Denílson pegou o rebote, deixando tudo igual.
A etapa final trouxe um Inter motivado e um Vitória com a missão de "amorcegar" o jogo. Com isso, a equipe colorada começou a ter erros infantis. E para tentar mudar o cenário, Hellmann chamou William Pottker, após 60 dias sem jogar devido uma lesão muscular. Mais tarde, Nico López entrou na vaga de Rossi, que saiu exausto.
Aos 14, Pottker quase voltou a campo marcando. Edenilson acertou um belo lançamento e o camisa 99 saiu na cara de Caíque, deu um "tapinha", mas a bola passou raspando o poste. Aos 40, Nico López em jogada individual, bateu colocado, mas Caíque salvou. E, quando tudo parecia definido e a torcida já havia ensaiado algumas vais, o herói passou a vilão. Aos 44, D'Ale cobrou falta e Caíque ficou apenas com as penas do frango nas mãos. Uma falha tremenda que deu números finais ao confronto.
Internacional 2 x 1 Vitória
Marcelo Lomba; Fabiano (Brenner), Rodrigo Moledo, Victor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado, Edenílson, Patrick, D'Alessandro e Rossi (Nico López); Roger (William Pottker). Técnico: Odair Hellmann.
Caíque; Rodrigo Andrade (Lucas Marques), Kanu, Ramon e Pedro Botelho; Willian Farias (Walisosn Maia), Uillian Correia, Yago, Alex Baumjohann (José Welison) e Rhayner; Denilson. Técnica: Vagner Mancini.
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia