Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

conjuntura internacional

27/04/2018 - 12h38min. Alterada em 27/04 às 12h41min

Banco Central da Argentina eleva taxa de juros em 3 pontos porcentuais, a 30,25%

O Banco Central da Argentina decidiu nesta sexta-feira elevar os juros em 3 pontos porcentuais, a 30,25%. O anúncio é feito apenas três dias após uma reunião na qual os dirigentes haviam decidido manter a taxa básica de juros.
O Banco Central da Argentina decidiu nesta sexta-feira elevar os juros em 3 pontos porcentuais, a 30,25%. O anúncio é feito apenas três dias após uma reunião na qual os dirigentes haviam decidido manter a taxa básica de juros.
Nos últimos dias, o BC argentino tem feito intervenções diárias robustas no mercado de câmbio, em um esforço para interromper a desvalorização do peso. Além do quadro externo, com uma trajetória de aperto monetário gradual nos Estados Unidos, que tende a apoiar o dólar, influem questões internas do país, como a posição fiscal e a elevada inflação.
Ontem, o Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) havia alertado que um ajuste fiscal lento poderia afetar "criticamente os níveis da dívida" do país. O BNP Paribas, por sua vez, também destacou a necessidade de um ajuste fiscal maior e alertou para o risco de que fosse necessário uma desvalorização cambial considerável. Para o BNP, outro problema é a baixa credibilidade do BC, que teria adiado ajustes necessários antes das eleições legislativas vencidas pelos governistas ligados ao presidente Mauricio Macri, em 2017.