Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

petróleo

25/04/2018 - 13h26min. Alterada em 25/04 às 13h26min

PPSA adia por 15 dias consulta pública do 1º leilão de petróleo da União

A Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA), representante da União nos contratos de petróleo descobertos no pré-sal brasileiro, adiou por 15 dias o prazo da consulta pública do edital do primeiro leilão de petróleo da União, previsto para ser realizado na bolsa de valores de São Paulo, a B3.
A Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA), representante da União nos contratos de petróleo descobertos no pré-sal brasileiro, adiou por 15 dias o prazo da consulta pública do edital do primeiro leilão de petróleo da União, previsto para ser realizado na bolsa de valores de São Paulo, a B3.
Anteriormente, o prazo para a consulta no site da companhia era até dia 27 de abril e o leilão ocorreria em 16 de maio. Um novo cronograma será divulgado nos próximos dias, segundo a assessoria da PPSA.
"Estamos vendo grande interesse das empresas em participar do leilão e achamos por bem atender aos pedidos para ampliar a consulta pública, o que pode representar maior participação no leilão. Essa modalidade tem a vantagem de promover a concorrência, de forma eficiente e transparente, em benefício da maximização dos resultados econômicos para a União. Estamos prontos para aprimorar o edital com as contribuições recebidas", explicou Ibsen Flores, presidente da PPSA.
O leilão na B3 será separado em quatro contratos de compra e venda do petróleo da União nas áreas de Mero (uma parte de Libra, leiloado em 2013) e dos campos de Sapinhoá, Lula e Tartaruga Verde.
Os contratos poderão ser adquiridos por um único comprador ou por empresas diferentes. O vencedor irá adquirir toda a produção do respectivo campo durante um ano, remunerando a União a cada retirada de carga, de acordo com a proposta de preços ofertada no leilão, baseada no Preço de Referência do Petróleo (PRP), determinado mensalmente pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
De acordo com estimativa de Flores feito para o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) no início do mês, o leilão deverá arrecadar entre R$ 400 milhões e R$ 500 milhões, recursos que serão destinados à saúde e educação.